GetaSecondLife

CopyBot


Até agora somos o único blog escrito em português que olha para o SL como um todo e fala de tudo um pouco. Recentemente, fomos alertados para um novo surto de roubo de conteúdos no SL de roupa e, principalmente, skins. O alvo foram skins com excelente qualidade e que foram colocadas à venda por preços superiores aos do criador original e quando a situação foi descoberta passaram a ser vendidas a 0L$.
Abaixo deixo uma lista (extensa) de artigos sobre o CopyBot no SL e as suas implicações.

Artigos relacionados:
Construtores do Second Life enfrentam ferramenta que permite cópia de itens
A importância de Second Life na internet
OPEN FORUM: COPYBOT CONTROVERSY
CopyBot Roils SecondLife Economy
Copyrights and Content Creation in Second Life
Outcry as ‘Copybot’ threatens copyright protection
Bots Back in the Box?
Second Life Will Save Copyright
The Dark Side of Second Life
Second Life Faces Lawsuit Threat over CopyBot
The CopyBot controversy
Help:CopyBot -wiki-
CopyBot -wikia-

DMCA: Digital Millennium Copyright Act
libsecondlife

SVC-676 | VWR-1919 | VWR-2909

Este é um assunto grave que nos afecta a todos e que deve ser denunciado. Estamos a falar de hackers que roubam conteúdos alheios. Neste caso, falamos de conteúdos no SL. Estes conteúdos para poderem ser utilizados por cada um de nós implicaram horas e dias de trabalho aos seus criadores…

help SL, ask LL to stop it!

  • Ninjatoris Thor

    Oi Ana, agradecia que me deixasses fazer um último post no tópico do BES.
    Tenho estado atento a ler os disparates que por lá vão, e vejo a necessidade de expor algumas coisas com clareza. Prometo que é um post produtivo e que induz uma reflexão por parte de todos 🙂

  • Porquê? Para ter a última palavra sem dar a outros hipótese de resposta? Não me parece justo…

    Agradecemos ainda que os comentários a este post sejam sobre o assunto do mesmo.

  • Ninjatoris Thor

    De facto tens razão nisso, mas responder à verdade não é tarefa fácil.

    Fica aqui o meu post, e caso aches possível enquadrar no outro tópico, poderás replicar o que disse. Caso contrário apaga-o daqui também 😉

    Bom trabalho.

    ————–
    ————–

    Tenho estado a acompanhar a leitura deste post há já algum tempo.
    Mas agora que apareceu o Sr. Angel, o tal que manda em tudo e faz as decisões, vejo-me no dever de deixar alguns pontos clarificados.

    A/O Maria não fez absolutamente mal a ninguém, muito pelo contrário.
    Foi por essa personagem que o projecto da Av. dos Aliados deu um salto a nível de construção, e muitas das ideias implementadas vieram dessa mesma pessoa – porque sim, o Angel é um incompetente sem ideias (alguém tem factos que provem o contrário?).

    Desde já alerto que não a/o conheço de lado nenhum para estar defender – e quem me conhece sabe perfeitamente disso, inclusive a própria Maria.

    A verdade é que todos os que têm algo contra a Maria, têm-no por um motivo muito simples: iam para as bolinhas com ela, a pensar que era uma supermodel, e depois descobriram que era um homem.. e sentiram-se ofendidos/abusados. -> alguma mentira aqui?

    Independentemente do sexo / orientação sexual da pessoa em causa, essa personagem conseguiu dar-vos a volta a todos – muito inteligente foi, ou muito burros foram os outros – sem querer levantar qualquer tipo de ofensa a ninguém.

    Porque é que todos os lesados foram homens? Estranha coincidência, diria..
    Afinal de contas, é tão fácil dar a volta a esses homens de agá pequeno, que perdem a cabeça com bonecas a mostrar fotos de modelos.

    Muito fez a tão detestada Maria pela Av. dos Aliados e por outros projectos!
    Suponhamos que a Maria era apenas uma personagem comum como todas (Armindo, Ksharian, Katrin, Genius, Freek, ….) as outras, e estava metida na construção.
    Qual seria o motivo para TANTA confusão, se qualquer um desses que eu mencionei aparecesse um dia e dissesse que era do sexo oposto ao boneco?
    Pois.. nenhuma.

    Então porque é que a Maria causa tamanha sensação?

    Ah.. era a “namorada” do patrão e fartou-se de meter dinheiro ao bolso.
    Dinheiro esse que se fosse investido de forma justa (como o Angel fazia crer: “Faço questão de pagar bem aos builders.”) tinha todo o dever de ser dividido, no mínimo, *irmãmente* (obviamente tendo em conta o trabalho) por todos os builders do projecto.

    Dinheiro esse que ela recebia *em especial* por ser “namorada” do patrão.

    Ela até ao BES conseguiu sacar uns euros, através do patrocínio nas Tshirts de Portugal!!!! – vejam só o cumulo, e como o ser masculino é tão fraco e vulnerável.
    As camisolas da Ksharian que eram 50 vezes melhores e bem feitas, tiveram patrocínio algum? Alguém se mexeu para incentivar uma boa criadora de conteúdos portuguesa? Não. Porquê? Porque não ia para as “bolinhas”.

    Portanto, muito bom exemplo foi a Maria, de como o sistema que tanto afirmam fazer “isto e aquilo”, está repleto de falhas altamente vulneráveis.
    E quem percebe minimamente de hacking, certamente já ouviu falar que a maior falha de segurança é o ser humano.

    Maria, és um grande Social Engineer – mais um pouco de treino e assaltas um banco via telefone, comó outro (Kevin Mitnick). O problema é que começas a perder identidade e já nem sabes se falas de forma feminina ou masculina.. além de que és de longe o melhor builder português – ainda se estivesses a competir no feminino (são muitas menos).. e mesmo assim não sei.

    E já que estão todos aqui numa onda de lavar roupa suja, aproveito para dizer que o Angel é um #$/(%&$* (ok, não vou descer tão baixo como tu).

    Chama-me amador na construção, chama-me puto, jovem, graúdo..
    Mas depois do que me fizeste, apenas me dás o enorme prazer de esboçar um grande sorriso quando ouço falar das novidades do teu *lindo* projecto.

    – Ri-me à brava quando soube que estavas disposto a deixar a tua mulher RL por uma boneca (com fotos duma modelo brasileira – afinal o físico é mesmo importante, hein?).
    – Ri-me à brava quando soube que afinal essa boneca tinha tomates.
    – Ri-me à brava com a tua tanga que já suspeitavas há 3 meses da Maria, para ver se ninguém se ria de ti e evitar que o teu projecto perdesse credibilidade.
    – Ri-me à brava com as falsas propostas de patrocínio nas quais acreditaste ingenuamente.
    – E ri-me à brava quanto o teu projecto foi com os porcos.

    Além de seres incapaz de executar o teu próprio projecto, és também um incompetente sem opinião própria (só sabes pedir opiniões aos Arquitectos, Engenheiros, …). Ideias boas, não as tou a ver sairem da tua cabeça – já que tens tanto jeito para roubar propriedade intelectual (como me roubaste a mim).

    Portanto a única coisa que tu provaste, foi que há bons builders portugueses no secondlife. Provaste sim, a enorme capacidade de alguns portugueses, mas em relação à tua capacidade.. viu-se o resultado não é Sr. Dr. Professor?

    E em relação à Maria, se realmente fosses uma pessoa correcta, admitias a tua homossexualidade. Afinal de contas, toda a troca de impressões que tiveste com esse avatar, foi o que te motivou a ‘apaixonares-te’.. então em termos científicos, diria que a paixão que desenvolveste foi para com a pessoa que dava vida a esse avatar – neste caso um homem.

    Em relação à ARCI, já vi/ouvi coisas boas, assim como coisas más.
    Críticas destrutivas não são bem-vindas em lado nenhum, mas verdades são.
    E a ARCI pode não andar a fazer o melhor trabalho do SL, mas anda a fazer trabalho – que deve ser reconhecido nem que seja pelo mérito de ter sido feito.

    E rocky, és o que mais investe no SL tuga? Fiquei curioso de saber mais, caso queiras partilhar.

    Gwyneth Llewelyn, os meus sinceros parabéns pelo conteúdo que tens vindo a postar neste blog. Constatei que tens uma capacidade de escrita fenomenal (tanto inglês como português), bem como um incrível know-how em diversas áreas.
    Excelente trabalho, really! 😉

    Para finalizar a minha intervenção, peço desculpa se feri alguma sensibilidade – menos a do Angel por motivos óbvios.
    Os demais sabem como me contactar inworld (e alguns que aqui estão, até no MSN) para qualquer esclarecimento adicional sobre os assuntos que relatei.

    Por favor pensem em aprender com os erros para um melhor futuro.

    Cumprimentos,
    Ninjatoris Thor.

  • Ollix

    Ninjatoris,

    “muito burros foram os outros ”

    “Ela até ao BES conseguiu sacar uns euros, através do patrocínio nas Tshirts
    de Portugal!!!! – vejam só o cumulo, e como o ser masculino é tão fraco e vulnerável.”

    “tens tanto jeito para roubar propriedade intelectual (como me roubaste a mim).”

    “porque sim, o Angel é um incompetente sem ideias (alguém tem
    factos que provem o contrário?).”

    etc.

    Isto é que estão aqui uns neurónios. Este gajo desata a difamar ao desbarato.
    Chama outros de burros, que patrocinam porque vão para as bolinhas, incompetentes, homosexual, ladrão e depois no fim conclui que ele tem razão porque ninguém lhe apresenta factos que provem o contrário.

    Parece que a exclusão do projecto lhe fez mal aos neurónios e ao ego para ter
    assim tanta necessidade de difamar gratuitamente e deslocar o ónus da
    prova para os outros.

    NinjaToris, que tal usares antes os teus neurónios para concretizares um projecto
    teu no SL e vires aqui mostrar a tua capacidade em vez de vires mostrar a tua falta de caracter, falta de honestidade intelectual e muita dor de cotovelo dos outros builders que não foram excluidos desse projecto como tu foste?

    Com tanta falta de caracter comprende-se bem que tenhas sido excluído.

    Ollix

  • Ninjatoris Thor

    Bem, o meu comentário não era para ser respondido neste tópico, uma vez que o original já está fechado a mais entradas. aliás.. eu pedi para que a moderação o eliminasse caso não o replicasse no outro tópico.

    De qualquer forma Angel (é fácil perceber que és tu devido à transição de linha no teu post que facilmente te denuncia – provavelmente escreveste no notepad e copiaste para aqui), tu tens a tua perspectiva e eu tenho a minha.

    Tudo o que eu relatei passa de uma opinião pessoal.
    Em relação a projectos, embora não tenha que provar nada a ninguém e muito menos a ti, manda-me uma IM inworld que eu dou-te um LM ;]

    Ego, há muito que não tenho nem preciso. tenho sim uma enorme falta de consideração para pessoas que descem abaixo de cão para conseguirem concretizar os seus objectivos, e pior ainda.. pessoas que pisam em cima dos outros como degraus – lembra-te que não foi apenas em mim que pisaste, foi também na Ksharian que muito trabalhou nas melhores texturas presentes em toda a Avenida.

    Não difamei ninguém, apresentei todo o meu raciocínio, baseado em verdades, de forma linear e com justificações para os factos que relatei. Se alguém se sentiu difamado, certamente tem motivos para tal.

    Se quiseres prolongar esta conversa tira o mute e contacta-me inworld.
    Quero ter o mínimo de respeito pelas entidades gestoras deste blog (que por sinal trabalham muito bem), e portanto agradecia que não se continuasse a estragar este tópico do copybot (que até deve ser interessante para a Maria) – peço desde já imensa desculpa por o ter feito.

    Não vou voltar a escrever uma única frase offtopic aqui.
    Aproveita agora e insulta-me :]

    *

  • Olá Ana,

    “Até agora somos o único blog escrito em português que olha para o SL como um todo e fala de tudo um pouco”!!!

    Estou a lembrar-me de mais uns poucos…

    Bj, PalUP

  • “Em Portugal vive-se um clima de esquizofrenia em redor do silêncio ou do excesso de palavreado” – Francisco José Viegas in correio da manhã (o jornalinho sensacionalista que todos por aqui devem gostar de ler).

    Afinal ainda há por aqui quem goste de meter o dedo no cu e cheira e chegar a derradeira conclusão que cheira a merda. Viva a esta gente tão mesquinha que presencia tamanho actos, verídicos ou não, reporta em meio de flatulência mal cheirosa o seu incomodo.

    Existem meio para resolver conflitos mas para que??? Quando todos que por aqui apontam, acusam, humilham, afinal tem muito poder, aliás julgam-se acima de tudo e de qualquer noção de moralidade. É pena não terem tanta capacidade de se julgarem a si próprios.

  • Tony

    @imparcial

    a começar no moderador, a senhora dona ana que bafeja arrogância…além de não conhecer nem lugares nem comunidades portuguesas no secondlife não conhece as centenas de blogs que falam do secondlife como um todo. haja paciencia para esta gentinha.

    Volte Senhora Cat, nao sei o que fizeste mas estas desculpada.

  • obrigado pela parte que me toca, mas não venho a procura de nenhuma taça ao contrário dos que por aqui andam a guardar trunfos.

    E não querendo ser a madre Teresa respeito em todo a posição da Srª Ana, tal como respeito o trabalho dela e tal como menosprezo todos os que por aqui parecem ter uma poia de merda no bolso para atirar na cara dos outros quando lhes dá jeito.

  • *sigh*

    Alguém tem algo a acrescentar sobre o CopyBot…?

  • Suelen

    Ana bom dia.
    Eu creio que além do CopyBot existem outros problemas que também são de extrema importância para saúde do metaverso.

    A grande maioria por exemplo das texturas que são usadas ou comercializadas por residentes são garimpadas da Internet sem a menor preocupação em relação aos direitos autorais. Já vi muita coisa mesmo nesse sentido, até trabalhos artísticos famosos sendo usados e vendidos dentro do Second Life.

    Não sei o quanto de responsabilidade a LL tem por atitudes dos residentes do SL, mas podem vir a sofrer um processos por isso, caso algum desses artistas donos originais das obras e texturas comercializadas e usadas no SL, se sintam de alguma maneira prejudicados.

    No TOS existe informações quanto a usar no SL material protegido por direitos autorais, mas a maioria das pessoas se quer lê o TOS.

    Acho que, o que precisa é esse tipo de trabalho que o pessoal vem fazendo mesmo, de conscientizar e mostrar que o caminho de copiar as criações alheias tanto dentro quanto fora do SL é errado. E falta da parte da LL, aplicar atitudes mais severas contra quem pratica desse delito, muitas vezes se denuncia e não fazem nada, principalmente quando a pessoa que cometeu o “roubo” é proprietário de algum(s) SIM.

  • (Tony, esqueceste-te de me chamar também snob. É a outra qualidade pela qual sou conhecida nas comunidades portuguesas. Agora se eu conheço ou não comunidades portuguesas parece-me que basta rever este blog e ver a quantidade de artigos escritos por mim sobre locais portugueses no SL. Mas, xalá, a gentinha aqui é assim… Ah, e a arrogante aqui, pelo menos, publica o nome completo do avatar. Ele há uns que assumem aquilo que escrevem, outros não.)

  • agora até eruditos em bicos de pés impressionante.

  • Aqui também há pipocas ou são copias ilegais das mesmas?

  • @PalUP e @Suelen

    Este post foi escrito em Fevereiro ou Março deste ano e ficou em draft. A ideia era publicá-lo passado uns dias mas acabou por ir ficando. Nem sei porque demorei tanto tempo a publicá-lo. O post foi escrito na mesma altura destes:
    nua!
    Intellectual Property Rights Campaign

    Relativamente aos blogs em português que falam do SL como um todo há poucos, infelizmente. E, de facto, o GETA não é o único. A maioria dos blogs portugueses falam somente do seu sim, do seu espaço e mai’ nada! Parece que o SL é somente aquele quadrado no meio da água e que só naquele quadrado é que acontecem coisas. Continuo a achar esta forma de ver o SL muito limitada. Mas, aquilo que eu queria dizer com aquela frase era que éramos o único blog em português a falar de copybot. Expressei-me mal mas consegui chamar a atenção. Não sei se nestes últimos meses mais algum blog em português se associou às campanhas anti-copybot ou não mas duvido.
    Na minha opinião, é importante termos posts escritos em português sobre o assunto a explicar que os avatares podem ser punidos e com as demais consequências do copybot.

  • Ola Ana

    Tens toda a razão sobre pelo menos das coisas:

    ´ São poucos os sites que falam sobre um todo no SL (e já sabemos porque)
    São poucos os sites que falam sobre CopyBot em português.

    Mas a verdade é que os aqueles que mais gostam de escrever, normalmente fazem-lo em inglês, para serem mais Internacionais e afastarem-se assim de confusões. Assim deixo aqui um desafio a todos os que tem algo a dizer:
    Apresentei no CEF^SL em Aveiro um projecto para a criação de um espaço todo escrito em português sobre informação secondlife chamado Utopia e-zine. quem tiver conteúdos para divulgar, por favor contactem via mail, ou via Im e já agora deitem o olhinho ao site… Criticas Construtivas e sugestões, são bem vindas!
    http://utopia.arci.pt (e não, não tem nada haver com o Utopia Portugal, TODOS podem colaborar- IM Nyne Wolfe)

    Depois temos a função daqueles que ajudam a conhecer o Secondlife aos novos residentes e que podem ir dando tb algumas dicas aos residentes mais antigos.
    Passar a mensagem (mesmo que as pessoas tenham conhecimento de que copiar as coisas de outros – seja um objecto, textura ou ate ideia- é errado), nunca é demais lembrar isso mesmo. Se já alerto as pessoas para as questões do consumo de trafego para não terem surpresas nas contas de net, acho que alertar para o crime que é copiar sem autorização.

    Todos juntos fazemos a diferença!

  • A minha questão é mesmo essa: ninguém escreve sobre CopyBot em português! Os mais recentes eventos que tomei conhecimento foram perpetuados por avatares que só falam português. Portanto, de que serve a internacionalização se os avatares que cometem os erros nem sabem ler inglês?

    Acho importante haver, pelo menos, um texto escrito em português.

  • Suelen

    Se considerar como sites/blogs em português de forma geral, e não só sites/blogs em português criado por portugueses, há varios outros também que já mencionaram o CopyBot e seus problemas, como o second-news.net por exemplo.

    Ana, apesar de como você disse, ter feito o post já um tempo, ainda é atualissimo, pois recentemente soube que o criador (ou criadores) do CopyBot fez uma atualização, tornando-o mais “eficiênte” 🙁

  • @suelen

    A questão que colocas é elementar, a LL tem o TOS escrito e descrito, em que descarta da responsabilidade de quem o faz, cópias de conteúdo da net, cópias de conteúdo do second life, etc. Claro que tens razão e fizeste muito bem em mencionar que até na Web existe este atentado à propriedade intelectual, e mesmo como o dizes de cópia de conteudo da net para vender no SL. Por isso exite um TOS e peca a falta de um TOS versão em português (coisa que não me escapou pela necessidade).

    @Ana

    Quando falas que a maior parte dos blogs portugueses falam só da sua land, aí não concordo em todo e também não concordo com a ligua em que é escrito este ou aquele blog. Por que o que acho fundamental é uma comunicação mais clara e mais acessível à muitos que não sabem do que se está a falar (falo de linguagem mais técnica que eu mesma tenho dificuldade em compreender). Mas sobre Bot’s sim já falei (pena que foi em inglês lol) http://slcoolmag.blogspot.com/2008/05/stop-bots-campaign.html mas este em outra perspectiva.

    Para quem não sabe os bot’s não tem só uma carga negativa (ou seja copiar material de terceiros) os bot’s tem milhenas de outras utilizações uma das quais abordei os (camp bots). Como funciona? Um programa fora do SL (bot) que consegue meter um ou mais avatares num determinado sitio (com acções limitadas claro) em que pode ser usado para iludir os contadores de tráfego, o que se pode ganhar com isso? Uma land sem grande interesse publico pode parecer um sitio interessante quando se vê que tem um tráfego substancial.

    Outra forma de usar um bot, antes existia um comando no slscript “llInviteToGroup” que permitia adicionar avatares num determinado grupo, por motivos que ainda não percebi a LL retirou esse comando, conclusão ou usamos aquele script que mete um link no chat e o requisitante tem de clickar no link ou então já encontrei a venda/aluguer bot’s que fazem esse trabalho.

    Ou mesmo para o alerta que fazer da utilização indevida do Bot que é para fazer cópias, claro que este assunto é da maior seriedade pois afecta directamente a economia do SL. Claro até aqui ainda não percebi até onde a linden por ou não actuar, pois logo que se cria um objecto no SL este fica associado à uma assinatura digital (não me lembro o nome e agradeço uma ajuda), essa assinatura digital permite definir e identificar quem é o criador original de determinado objecto e também pode e deve ser denunciado a DMCA http://pt.wikipedia.org/wiki/DMCA (Digital Millennium Copyright Act).

    Repara no primeiro link que colocaste datado de 2006, ou seja a questão é velha, os infractores podem ser denunciados mas o grande problema pelo que tenho visto é que os próprios residentes tem muita dificuldade em identificar se está a comprar o Item ao criador original ou ao ladrão virtual. A situação complica-se quando milhares de residentes compraram já o Item copiado. Lembras-te da LL “limpar” do SL umas camas? Isso aconteceu porque houve uma denuncia e a LL actuou, sei de milhares que reclamaram, pois pagaram o Item e simplesmente ficaram sem ele.
    O mal já existe de raiz quando o SL é criado com uma plataforma código aberto que é benéfico por um lado mas bastante prejudicial para outro.

    Mas repara que a reacção dos criadores por vezes pode ser pior que o próprio copybot na perspectiva da economia do SL e sabemos claramente que SL sem economia sustentável morre e nem IBMs irá salvar a situação. Já se falou no passado da Creative comoms http://creativecommons.org/ aqui http://news.cnet.com/Joi-Ito-a-man-of-many-hats/2008-1026_3-6138091.html.

    Mais já não sei o que dizer, mas acaba por ser ironico que o próprio SL em 2006 tenha dado abertura a programadores que criassem os referido programas não limitando de raiz o problema, lá está parece que esta situação não foi prevista. Até agora a unica solução tem sido marketing contra a cópia ilegal e anti-copybots (que não sei até onde são totalmente eficazes).

  • Obrigada pelos links, naima! 🙂

  • Notem que a Linden Lab, estranhamente, tem uma dupla atitude relativamente a certas coisas. Por um lado, são adeptos do “code is law” — uma figura de estilo muito popular nos legisladores da tecno-esquerda, que acham que as coisas se deviam proibir às pessoas programando os computadores para impedir que elas cometam crimes. Por outro lado, são também adeptos do “social enforcement” — a noção que é a comunidade que se auto-regula através de regras feitas por seres humanos e controladas por seres humanos também.

    Por exemplo, podemos automaticamente meter uma lista de avatares de que não gostamos numa “ban list” e prevenir que eles nos incomodem (“code is law”), mas podemos também amavelmente pedir que se vão embora porque estão a provocar distúrbios ou convidá-los a portarem-se bem (“social enforcement”).

    Para algumas coisas, a LL deixou-nos a nós o ónus do “social enforcement”. O caso mais óbvio é que nenhum tipo de vigarice (comercial) é proibido no Second Life, coisa que sempre me incomodou. A LL sempre achou que mais cedo ou mais tarde iriam aparecer grupos que se auto-regulavam para impedir a vigarice (este é um de muitos exemplos).

    Na realidade, estes grupos têm muito pouco poder real (visto que só a LL é que tem poder global; o melhor que estes grupos conseguem é ter algum poder local, ie. junto dos residentes que efectivamente aderem aos seus princípios). O melhor que se pode esperar deles é aumentarem a percepção do problema e conduzir as pessoas afectadas por injustiças para as entidades correctas. Voltando ao meu exemplo, a Content Creators Association tem um grupo de advogados que trabalham pro bono ajudando os criadores de conteúdo a preencherem o formulário do DMCA, e depois fazem questão de chatear a LL para que não “ignore” o pedido (a LL ignora-os frequentemente por estarem horrivelmente mal preenchidos; e como qualquer bom advogado sabe, um pedido mal preenchido tem pouca ou nenhuma validade).

    Alertar para estas duas situações parece-me importante: que o problema existe (muito conteúdo é pirateado indiscriminadamente) e que existe uma solução de recurso difícil mas não impossível (DMCA, que é bem mais complexo que pensam; quem seguir esta via terá de estar pronto a entrar numa batalha legal no Estado da Califórnia contra os “piratas”, especialmente se estes forem inteligentes e souberem como contra-atacar um pedido de remoção de conteúdo).

  • Estava atentamente a ler alguns “valiosos” posts e não resisto, também a deixar aqui uma achega.

    Muitos de nós temos a tendência para um envolvimento, emotivo muito forte “dentro” do Second Life, pois trata-se, de um Mundo virtual que envolve dinheiro, artistas, criadores, professores, comunicação, etc.

    Embora se fale de Lei, de direitos, de moral, e de muitas outras temáticas próprias da Vida Real, como muito bem disse a Gwyneth Llewelyn, a palavra final é sempre da Linden Lab, propriétária do “Jogo”.

    Sim! Aos olhos da Lei trata-se efectivamente de um jogo, por muito que isso nos choque! Qualquer diferença entre o SL e o World of warcraft ou outro qualquer, não existe aos olhos da Lei Americana, neste caso…

    Assim sendo, a Lei não se vai preocupar, se o Darth Vader se envolveu numa Luta com a Anshe Chung ou se a Anshe Chung roubou conteúdos ao Rui Clary. O Único responsável por manter essa lei do “Mundo dos Avatares”, é o proprietário do Mundo virtual.

    A Lei dos “vivos”, apenas se preocupa se o contrato da Linden Lab com o cliente é cumprida e o acordo está de acordo com a lei americana, neste caso.

    Sim há dinheiro lá dentro e isso muda tudo!! Aos olhos da Lei esse dinheir não é mais do que a compra de mais serviço à Linden Lab. Do género, “eu pago-lhes para ter mais serviço”.
    Recordo um projecto português para arbitrar conflitos – o e-justice. Infelizmente a Lei que impera é a Lei dos bytes.

    Na minha opinião, é urgente que a legislação da “Vida Real” comece a ter em consideração os Mundos Virtuais e mais que isso: – O Metaverso.

    Beijos e abraços,

    Rui

  • Não concordo, claro, com a afirmação de ser o único blog e coisa e tal…

    Sobre o CopyBot tenho uma opinião, embora possa estar errado, que é: quanto mais falar de CopyBot mais ele se vai propagar. Denunciar de nada serve enquanto houver anonimato e possibilidade de criação de avatares ao instante. Quem cria lojas com material roubado, ou venbde pouco ou facilmente é descoberto… que fazer então ? A LL que faça, por exemplo, proibir contas anonimas porem á venda seja o que fosse, ou mesmo darem a outros objectos…

    o Rui falou uma coisa interessantes sobre a lei dos vivos. no entanto nao consigo distinguir os direitos de uso de imagens, por exemplo, na internet, que sabemos que há lei pra isso, do uso dentro do sl.

  • Gostaria só de deixar duas notas (era para meter no “outro” artigo, mas achei melhor não…).

    A primeira é a ilusão (bem sei que por vezes “fomentada” pela própria Linden Lab, especialmente pelas suas comunicações mais antigas) de que “as regras do mundo real não se aplicam no Second Life”. Por favor desiludam-se. É uma inteira falsidade. O contrato que todos vocês têm com a Linden Lab está ao abrigo da legislação californiana — o que pode complicar um pouco as coisas — mas a prestação de serviço da LL segue a legislação internacional de serviços online. E se em meados dos anos 90 poderiam haver “lacunas”, hoje em dia não há. A legislação é vasta, extensa, e aplica-se perfeitamente a mundos virtuais. E não, não é de todo forçoso que sejam considerados “jogos” (do que conheço, são justamente os jogos online que não têm uma legislação específica, excepto os jogos de azar), mas sim “ambientes sociais online”. E isso garanto-vos bem que está muito bem legislado! Mais ainda, o legislador nacional é suficientemente claro para afirmar que, em caso de dúvida (nomeadamente, ausência de regulamentação específica), remete para a restante legislação em vigor que seja mais apropriada.

    Isto só quer dizer uma coisa. Se alguém violar a propriedade intelectual de terceiros no Second Life, está a cometer um crime punido por lei — seja a lei nacional, seja a californiana, seja a internacional. Que não haja qualquer dúvida a esse respeito. O facto de conseguirem “fugir da lei” não quer dizer que esta não se aplique! Quantas vezes não temos justamente essa ideia de que uma lei não nos afecta porque conseguimos fugir dela?… ou porque temos a certeza absoluta de que podemos cometer um crime impunemente porque, ou a polícia não nos descobre, ou os tribunais não querem saber do caso para nada? Por exemplo, o SPAM em Portugal pode ser punido com cinco anos de prisão, mas quantas pessoas alguma vez foram presas por estarem a mandar SPAM?… (Do meu conhecimento, exactamente zero, mas posso estar enganada).

    A Linden Lab pode definir os termos de funcionamento do seu serviço, e aplicar as sanções que ache mais razoáveis, mas não se pode substituir à legislação em vigor (mesmo que muitas vezes gostássemos que eles fizessem isso). E a legislação é clara, bem clara, assim como a sua aplicação. E o famoso caso do Stroker Serpentine mostra que há, de facto, pessoas dispostas a processar terceiros por pirataria de conteúdos. (Um caso parecido, o de uma empresa que usa spamming e o equivalente a camping no World of Warcraft ao ponto de dar cabo da paciência dos jogadores, também foi levada a tribunal).

    Porque é que isto não acontece mais frequentemente? Bem, a Justiça é cara. Se tivermos um caso concreto de alguém que pirateou uma textura nossa, e o levarmos a um tribunal português, quanto é que isso nos custará?… Provavelmente, só em despesas de advogados, uns 10 mil Euros, fora os custos judiciais. E a paciência de aturar semana sim, semana não, uma cartinha algures dos tribunais a ser entregue pelo carteiro (que nos conhece bem) com um sorriso do tipo “olha-me esta, a meter-se em trafulhices…”? Há a pressão social dos amigos e familiares a verem pilhas e pilhas de cartas de tribunal; dos colegas que sabem que mais uma vez pedimos licença para nos ausentarmos do trabalho para irmos “a mais uma sessão de tribunal”. Isto ao longo de vários anos. Para, no fundo, o quê?… Em Portugal alguém que pirateie uma textura não vai preso (embora tecnicamente o possa ir). A probabilidade de sequer ser multado é ridiculamente baixa; a maior parte dos juízes recusa-se a julgar casos que envolvam “meia dúzia de Euros”. Nos Estados Unidos, isto é um pouco diferente só por uma razão: no sistema de lei comum (usado na maioria dos países anglo-saxónicos), uma vitória em tribunal causa um precedente que depois é usado para julgar casos futuros — e o nome do advogado (e dos litigantes) ficará para sempre associado ao precedente, dando-lhe, pois, fama e glória. Muitos advogados, pois, não se importam nada de se meterem nestas “causas perdidas”. O Stroker Serpentine levou uma pessoa a tribunal por “poucas centenas de dólares”, que era o máximo de indemnização que ele conseguiria receber por perdas e danos. Mas o que interessou foi que o advogado dele fez história (criou um precedente), e muito provavelmente o Stroker não pagou um tostão — e ganhou “mais” na publicidade envolvida no caso do que o que tinha perdido com conteúdo pirateado por CopyBot. Por cá, só temos o Garcia Pereira 🙂

    É uma questão ética e moral, mais do que legal (especialmente se legalmente os “piratas” sabem que se conseguem safar sempre).

    No entanto, há obviamente o reverso da medalha. Um “pirata” que seja apanhado vai ter uma vida terrível durante o processo. Mesmo que nunca seja metido na cadeia, ou que nem sequer lhe apliquem uma multa — toda a gente vai ficar a saber que é um pirata. E isto de ter cadastro tem consequências — o círculo de amigos vai estranhar ter uma pessoas “destas” entre eles; os familiares vão chorar e lamentar-se a dizer coisas “meu filho, escusavas de roubar, podias pedir-me dinheiro que eu te arranjava…”. E os colegas vão suspeitar de alguém que, se é capaz de roubar via Internet… muito provavelmente será capaz de o fazer na “vida real” também. Ladrão é ladrão, não interessa a forma como roubou. Só este “estigma” de ser considerado ladrão para o resto da vida é muitas vezes factor dissuasor (e os juízes portugueses, curiosamente, têm imenso bom senso e sabem perfeitamente que um “pirata” que apanha um susto na vida — vai normalmente portar-se bem daí em diante). Mas, claro, implica uma disponibilidade financeira elevada, ou ter um amigo advogado suficientemente maluco para fazer o trabalho de borla 🙂

    A segunda questão é relativa ao aparente anonimato que tantos usam como forma de se auto-proclamarem “impunes” (“nunca me apanharão no SL!” é uma frase que tanto repetem ao ponto de acreditarem ser verdade). Desiludam-se… não existe anonimato no SL. Basta um dia “por engano” estarmos a ouvir música numa parcela (ou um vídeo) que imediatamente somos registados com o nosso endereço IP e a data a que nos ligámos. Se foi de um servidor nacional, basta um telefonema dum agente da PJ com mandato do tribunal, que em segundos o operador divulga o nome, morada, e número de telefone…

    Além disso, a Linden Lab regista todos os nossos movimentos no SL; assim como todos os nossos chats, pelo menos durante 15 dias. A qualquer altura esta vastidão de dados pode ser efectivamente disponibilizada — desde que exista, evidentemente, um processo em tribunal contra o avatar. E desiludam-se também que “a Linden Lab não sabe quem são os nossos alts”. Há anos que eles têm mecanismos para descobrirem quem são os alts — através de uma fórmula complexa que envolve muito mais do que o endereço IP, claro está — e embora não seja 100% segura, quanto mais alts criarmos, mais fácil será à LL descobri-los a todos.

    Criar alts com informações fictícias só torna o processo um pouco mais demorado. Mas a verdade é que os operadores sabem sempre de onde as pessoas se ligaram. É tudo uma questão de estarem mandatados por um tribunal para divulgarem esses dados. E isto leva pouquíssimo tempo.

    Não pensem que os nossos agentes da PJ não conheçam o SL 🙂 Provavelmente muitos dos que estão na Secção de Investigação de Criminalidade Informática e de Telecomunicações ligam-se irregularmente ao SL. Isto não é ser “paranóica”. É apenas a constatação de um facto. A maior parte dos investigadores desta secção têm sólidas bases informáticas e mesmo licenciaturas em Engª Informática e passam a vida a ligar-se a todo o tipo de serviços na Internet. Em 1995, mal a Brigada de Crimes Informáticos tinha aberto (criada pela legislação da criminalidade informática da altura), já existiam pelo menos 3 ou 4 agentes com know-how suficiente para lerem logs de servidores ligados à Internet e apanharem “hackers” e “spammers” com eficácia… esses mesmos investigadores têm hoje em dia 13 ou 14 anos de experiência a usar a Internet, e conhecem muito bem os hábitos dos portugueses. Não julguem que “nunca serão apanhados porque a polícia não percebe nada do assunto”. Antes bem pelo contrário!… A minha própria experiência no passado com alguns agentes da SICIT é que eles estão mais que aptos e mais que informados sobre todas estas tecnologias maravilhosas — muito mais do que pensamos. Lembrem-se que eles têm de apanhar criminosos que entram remotamente em bancos e companhias de seguros, com sistemas bem mais complexos, e crimes bem mais complicados de desvendar, do que o “engraçadinho” que acabou de criar um avatar, arranjou uma cópia ilegítima do CopyBot e se pôs a piratear texturas e agora por aí anda a gabar-se “haha sou muita esperto ninguém me apanha pois tenho um milhar de alts e ligo-me de computadores diferentes todos os dias haha”.

    Desiludam-se. A realidade não é essa.

    A realidade é que tudo o que é preciso para “parar” um pirata (mesmo que seja só pregar-lhe um enorme susto com uma convocatória para uma sessão em tribunal… ou uma “visita” à esquadra da PJ mais próxima) é entrar um processo em tribunal. Certo é que os piratas sabem que a maioria das pessoas (e isto ainda é mais verdade aqui no nosso jardinzito à beira-mar plantado) não têm coragem de meter processos em tribunal, ou, pura e simplesmente, não têm dinheiro para o fazer. É só por isso que os piratas se safam.

    Não é por causa do anonimato (que não existe).

    Não é por falta de legislação (que é bem clara e aplicável a mundos virtuais ou quaisquer outros serviços online).

    Não é por falta de conhecimentos da PJ (que, provavelmente, tem muitos mais conhecimentos informáticos do que qualquer uma das pessoas que colocou um comentário neste artigo).

    É, pura e simplesmente, por falta de processos em tribunal (porque são difíceis, muitas vezes traumáticos para quem os coloca, quase sempre caros, e duram muito tempo para serem depois arquivados). Costumo dizer que temos a melhor legislação do mundo (pelo menos de entre os sistemas jurídicos que conheço) e das melhores polícias de investigação de grande parte do mundo (sempre fui fã da PJ… especialmente quando tive oportunidade de os ver a trabalhar) e até juízes com uma enorme dose de bom senso… mas… infelizmente, o sistema não é eficaz, é custoso, é lento, é muito stressante, e é só por isso que os “piratas”, oportunistas, e outros prevaricadores por aí andam.

    O “aviso” da existência de pirataria de conteúdo no Second Life é, pois, duplo. Por um lado, apresentar ao maior número de pessoas que este problema existe, mas que também tem uma solução (fazer uma queixa via DMCA à LL; e há muitos grupos de protecção dos criadores de conteúdos que ajudam neste processo) — é divulgando que se cria uma consciência colectiva de que se pode, efectivamente, combater a pirataria. Mas o “aviso” é também para os piratas, que só se “safaram” até agora porque, infelizmente, as pessoas estão mais dispostas a reclamarem em público do que em dar início a um processo — e não porque são “anónimos” ou porque “a lei não se aplica”.

    Mas um dia vão ter o azar de apanharem alguém que não hesitará em despoletar todo o processo, e aí vão arrepender-se da arrogância em pensar que estavam seguros e anónimos atrás dum alt na casa do vizinho…

  • …”Um “pirata” que seja apanhado vai ter uma vida terrível durante o processo. Mesmo que nunca seja metido na cadeia, ou que nem sequer lhe apliquem uma multa — toda a gente vai ficar a saber que é um pirata. E isto de ter cadastro tem consequências — o círculo de amigos vai estranhar ter uma pessoas “destas” entre eles; os familiares vão chorar e lamentar-se a dizer coisas “meu filho, escusavas de roubar, podias pedir-me dinheiro que eu te arranjava…”. E os colegas vão suspeitar de alguém que, se é capaz de roubar via Internet… muito provavelmente será capaz de o fazer na “vida real” também. Ladrão é ladrão, não interessa a forma como roubou. Só este “estigma” de ser considerado ladrão para o resto da vida é muitas vezes factor dissuasor (e os juízes portugueses, curiosamente, têm imenso bom senso e sabem perfeitamente que um “pirata” que apanha um susto na vida — vai normalmente portar-se bem daí em diante)”…

    Gwy…. vives em que mundo? Não em Portugal certamente: eu sei que são apenas ‘alegados’, mas Fátima Felgueiras, Isaltino Morais, Valentim Loureiro têm processos em tribunal e foram reeleitos e aclamados pelo povo. E as acusações pendentes não são de uns quantos euros, mas de muitos milhares ou milhões.

    Eu sei que o meu comentário não tem directamente a ver com CopyBot, mas foi só uma chamada de atenção para a irrealidade do teu 😉

  • Jaxx Convair

    Com tantos casos gritantes neste país, quando gastarem 1 cêntimo das minhas contribuições num processo que envolva uma textura (ou outra coisa) roubada no SL, será seguramente altura de emigrar 🙂

    Não quero dizer com isto que sou a favor da pirataria. Apenas acho que, para continuarmos a viver o SL de uma forma saudável, não devemos levar certas situações tão a sério.

    Cumprimentos a todos!

  • Estive a ler os precedentes Comments do Ronin , Gwyneth e de M2life, não discordo de nada do que foi dito, embora mantenha a minha opinião em que as Leis terão de sofrer “adaptações” ao Metaverso.
    Acho que as leis não estão preparadas para o conceito de “Avatar”- Que engloba nele também uma espécie de personalidade virtual registada online, que tem o seu portfolio, o seu dinheiro, os seus valores artísticos, as suas propriedades, os seus amigos, os seus grupos sociais, e toda a restante “paraferália” que lhe dá valor e inventário.
    O avatar, pode namorar, ofender, roubar, falar e estranhamente pode ser “dado, vendido ou partilhado”, por diversos seres humanos ou instituições ou mesmo roubado. Confesso que não me recordo se os termos do acordo com a LL permitem a partilha ou transferência de Avatares, nem os vou agora reler.
    Recordo-me de um valioso avatar que foi colocado à venda depois de ter criado uma comunidade Portuguesa, com centenas de avatares nela inscritos, entre outro património…
    Claro que em caso de crime, o criminoso não é o avatar , mas quem está a cometer o crime, usando o avatar como ferramenta.

    Podemos sempre dizer que a melhor lei é a que diz “Não roubarás”, e que eu chamo, “A Lei Mandamento”.Aplica-se a tudo!!O pior, é quando colocamos lá um um “mas” ou um “se” ou ou “porque”.
    No metaverso temos pela primeira vez a noção de que estamos “lá dentro” com (quase)os cinco sentidos. Ainda há pouco aqui no Geta, apareceu num post uma thread com dezenas de comments, onde são gratuitamente(ou não) feitas as mais diversas acusações de crimes, e tudo impunemente, como se estivessem a brincar com bonecas numa qualquer Ludoteca.
    Pergunto eu: “Não pensará a lei, que de facto se está a brincar com bonecos?”
    Sempre que aparecem palavras como mediação ou arbitragem, eu desconfio sempre do sistema por detrás.Provaelmente, é um sistema em que a complexidade de um processo crime, não leva a lado nenhum, ou demora “milénios” até levar.
    Gwyneth, os meios de comunicação colocados à disposição do Avatar, são já tantos, e lembro-me do chat, IM, Voice, email, notecard, flyer-texture, ad-farm, notice, etc. Será literalmente impossível manter emstorage esse big brother que descreves. Seria sim possível fazer “escutas” como se faz na vida real.
    O Metaverso terá de ter regras e protocolo próprio, ao qual todas as ferramentas, sistemas e Mundos virtuais terão de obedecer para que possam estar incluídos, e isto parece-me fundamental para que a “lei dos vivos” se possa “imiscuir” sem demorar 10 anos para chegar a lado nenhum.
    Não creio que o tal copybot tenha feito ou consiga fazer fraudes com “dinheiro de 4 dígitos”, mas tudo se encaminha nesse sentido.

  • Jaxx Convair

    Quem daqui nunca usou software pirata e/ou copiou um cd de música, fez download de um mp3, gravou uma cassete (que saudades destas!)?!

    Ai ai! Seus malandrecos! Este Natal não há prendinhas para ninguém! 😉

  • Desalinhado

    lol jaxx…dói mas é verdade!!!

  • @Jaxx
    Pequeno pormenor: ninguém vai gastar um cêntimo teu porque os processos (a existirem) serão nos EUA. Temos prendinhas de Natal…? 😉

    @Rui,
    De acordo com o ToS é proibido, por exemplo, dares-me a tua password de acesso ou eu dar-te a minha. A única forma de transferir avatares é por testamento ou através de um documento escrito. O avatar da criadora da Last Call (que, entretanto, faleceu) era partilhado por duas pessoas. A LL™ tinha conhecimento do facto porque foram informados através de um documento e aceitou a partilha do avatar somente entre aquelas duas pessoas.

    Vamo-nos focar no metaverso e deixar uma questão: denunciariam conteúdo roubado se o detectassem? Se sim, como?
    Aquilo que tenho feito é contactar o criador original e informá-lo mas se tiverem mais dicas sobre como o fariam mas se tiverem outro processo que considerem melhor partilhem.

  • Desalinhado

    O ponto fulcral do coment do jaxx é bem desviado, mas estamos aqui perante uma questão que me parece interessante e pertinente. Queixamo-nos dos copy bots e tal, e eu entendo e não sou de todo a favor dos copy bots, ou de roubos de texturas ou seja lá o que for, mas depois na volta o photoshop que usamos para criar as mesmas, os programas que usamos para criar objectos 3d, ou mesmo poses que depois importamos lá para dentro, são completamente pirateados, quiçá até mesmo o windows, se for xp, porque o vista ninguem quer mesmo.
    Dá que pensar, lá isso dá.

  • Desalinhado

    Ou então temos que ter mais respeito pelo trabalho da pessoa por trás do avatar dono da Cake, ou de quem quer que tenha sido copiado, do que os tubarões e malandros ma Microsoft e da Adobe por exemplo.

  • @Desalinhado
    Sim, a questão até poderá ser pertinente mas a analogia não faz sentido porque estamos somente a falar de ambiente SL. Continuando a analogia: não faz mal roubar conteúdos dentro do SL porque também se faz fora do SL…?

    Relativamente a programas, deixo aqui uns links de programas gratuitos para tudo aquilo que referes no teu comentário:
    Edição de Imagem – Gimp, Pixlr, Picnik ou Photoscape | Sculpted Prims: 3D Software Guide
    Animações – Qavimator

  • Jaxx Convair

    Olás de novo 🙂

    A minha intenção na analogia acima surgiu apenas de um ponto de vista, digamos… Introspectivo lol
    Quero com isto dizer:
    Teremos moral para acusar os “copiões” no SL reportando-os aos criadores originais quando cometemos (a maioria) os mesmos erros/delitos na RL?

    Tal como não o faço na RL, a menos que seja eu o lesado, não me cabe a mim acusar quem quer que seja.

    Para mim não existe ambiente SL. Entendo o SL como uma nova plataforma cheia de novas potencialidades. Embora ainda pouco exploradas, acho-as bastante promissoras. Penso que devemos usar o SL como mais uma ferramenta disponível, tal como usamos o e-mail, a web, etc. O próprio nome é bastante redutor, isto não deveria ser uma segunda vida… mas isto são outros 500 e fogem completamente ao tópico. Peço desde já desculpa 🙂

    Cumprimentos

  • @Jaxx
    (Não tens nada que pedir desculpa…)
    Segundo consta, o tal do CopyBot descarrega ilegalmente para o computador o conteúdo do SL. Quando o conteúdo está no computador do prevaricador, o mesmo pode fazer novamente o upload para o SL ficando o próprio como criador e vendendo ao preço que lhe apetecer o trabalho de outras pessoas que obteve através de um download ilegal. E ainda há os copiões (® do Jaxx) que inventam. Ou seja, roubam dos outros e modificam. Além do download ilegal temos um atentado ao copyright do autor. Por exemplo, nas skins há uns que simplesmente colam pedaços (tipo Frankstein) e há outros que após colar os pedaços os modificam para ficarem diferentes do original a ver se passa despercebido.

  • Ana uma pergunta:

    Como é que eu sei se determinado objecto é roubado ou não? É que denunciar situações sem o mínimo de provas é no mínimo constrangedor.

    Tens algum programa que querias disponibilizar no SL para que possamos ajudar nessa situação?

  • @ElectroEscadas,
    Se suspeitares de algum conteúdo podes perguntar ao criador original se lhe parece roubado. A questão é que não existe uma marca que identifique… :/

  • aff

    ainda axo q tds vcs tem