GetaSecondLife

Reflexão sobre o Geta

13 Comentários
SL® geral GetaSecondLife 13 https://getasecondlife.net/2008/09/second-life-geral/reflexao-sobre-o-geta/#comments
791

Tenho pensado alguma coisa (não posso dizer bastante, mas alguma coisa) sobre este blog. Como começou, como prosseguiu, como se foi transformando e, finalmente, como, de alguma forma, foi esmorecendo. Falta de tempo, falta de disponibilidade, falta de tema, enfim uma série de “faltas” que causaram uma certa distância entre autor(es) e blog.

E, no entanto, a maior falta *para mim*, foi a falta de interesse motivada pelo virar deste blog para o caminho dessa palavra execrável: institucional. Eu detesto blogs institucionais, não têm qualquer graça. Podem ter interesse, podem ser muitíssimo informativos e úteis, mas (repito, para mim e sempre na perspectiva de autora, como é evidente) não me servem de todo. O facto de se andar sempre à procura de uma coisa interessante ou útil para postar, tira-lhe(me) a espontaneidade, que é o que me faz correr, por assim dizer. Lembrar-me de qualquer coisa, que até pode ter interesse ou não, para os leitores, mas que tem imenso para mim, mesmo que seja absolutamente momentâneo e passado meia hora já nem me lembre, isso é que me faz vontade de escrever posts. E, claro, quando se escreve com vontade e não como frete (e a quantidade de posts-seca-frete-quase-obrigação que já coloquei aqui é, sinceramente, demasiado alta para o meu gosto) escreve-se com muito mais inspiração, graça, piada, gosto, entusiasmo, etc etc, coisa que o leitor acaba por sentir.

Se eu escrever

“No dia tal há um evento no sítio assim e assado que julgo que irão achar muito interessante”

é informativo, serve a sua missão e é uma grande seca de post para quem o escreve.

Mas se eu escrever

“Eia, com caneco! Então não é que me contaram agora mesmo que fulano de tal vai fazer um evento naquele sim muita feio e horrível, cheio de lag, mas epá, tiro já os prims todos e estou lá caída que não posso perder aquilo nem que crashe cinquenta vezes e até consigo ignorar aquela paisagem de vómito!”

é pessoal e intransmissível (e provavelmente, atrás do meu entusiasmo, ainda arrasto algumas pessoas que, de outra forma não iriam), mas principalmente, é post que se nota que deu gozo escrever.

E, não obstante a quantidade de blogs portugueses sobre o SL, bons ou maus ou sempre actualizados ou bastante informativos ou completamente personalizados ou parados ou chatos, a verdade é que eu (puxando dos galões da antiguidade ser um post) ando nisto da blogsfera há mais tempo. E, para mim, já tenho tanta escrita e tão variada nestes anos todos que, ou me serve um blog que me dê gozo, ou abro outro sobre outra coisa qualquer, que tenho mais que fazer e estou-me positivamente nas tintas para o facto de aquele blog que é meu e é chatíssimo para mim, ser institucional, iadaiada.

Isto tudo para dizer que eu gosto muito deste blog. Muito mesmo. Mas, a partir de uma certa altura e claro, isso acontece sempre, de alguma forma dirigida pelas expectativas de quem lê, isto passou a ser uma obrigação e um grande pincel. E foi morrendo aos poucos, até aquela rapaziada prolixa ali daquele famoso post que dizendo bem de uma coisa no SL, provocou um pé de vento que ainda não consegui ler até ao fim, de alguma forma abanou a coisa e deu vontade de voltar cá.

Mas de outra forma. Como me(nos) apetecer. Não imaginam a quantidade de posts que estão em draft a serem limados; para ficarem melhor. Ora isso está muito bem, mas para quê? Mais vale colocá-los mesmo como estão, porque um blog é, antes de mais, um espelho daqueles que ali escrevem e se não estiver perfeito, também não vem grande mal ao mundo. E, acima de tudo, um blog tem que ser alimentado e continuado, para ter ritmo e entusiasmo de todos os participantes, autores e leitores.

Portanto, no que a mim respeita, vou andar mais por aqui. Com imensa coisa que pode não ter lugar num blog institucional, esse tal onde eu não quero participar. Com coisas leves, com dicas ou pensamentos ou coisas que achamos piada, com péssimas fotografias minhas e excelentes de outros autores, com polémicas acesas, que aqui ninguém tem medo de ficar com menos “boa imagem”, com assuntos menos politicamente correctos, com o que nos apetecer. Excepto aquilo que sabemos e que não podemos postar, claro, e aí, meus amigos, é que o blog seria de estoiro, mas paciência. 😀

Não temos que provar nada a ninguém. Eu é que me tinha esquecido disso, por uns instantes. 🙂

  • Acho ke é um bocado inevitável, tudo isso ke dizes. Dificil não ter um pouco essa relação ambivalente com as cenas ke amamos de paixão. Eu tive fases em ke pura e simplesmente não consegui pôr os pés em Portucalis, porke me causava vómitos (mmm… se calhar devia fazer um post sobre isso – lá ? ahahaha). Agora, não consigo novamente sair de lá.

    E às vezes basta um clique qualquer, para nos voltar a vontade assim. Para nos renovarmos e nos começarem a brotar ideias a 500 à hora, hehehe.

    No fundo, os blogs, como os sims inworld, e as vidas todas, a primeira e a segunda… são todos, todos como o Natal – como e quando nós quisermos 😛

    Por isso – siga pra bingo que acho que sobraram pipocas ainda 😀

  • Hum, são esses posts que a malta gosta mais de ler lol, “porque é que Portucalis me causava vómitos etc e tal” 😉
    Faz isso! mete um post com esse título e eu também ponho um igual, boa, combinado? :DDDD E posso dizer só um cadinho mal de ti, posso posso posso? Ohhhh vá lá, também podes dizer de mim! Ah vamo-nos divertir tantoooo! :DDDD

    É como o Natal e como o Carnaval 😉 E há sempre pipocas.

  • M2

    Essa história do ‘institucional’ tem uma estória, mas que eu não a sei toda. Mas na minha fraca memória, a primeira ‘pessoa’ a usar esse termo para se referir aos blogues Geta e Portucalis, a propósito de uma daquelas cenas de faca e alguidar que de vez em quando animam os blogues, foi o Imso Obscure.

    Pois… há blogues para tudo e uns são informativos, outros só de mal dizer outros um pouco de tudo e gosto de ler (os que leio, que são muito poucos) por todas essas razões. E até gosto de provocar algumas pessoas mas, até agora, tudo não tem passado de brincadeira, pois o mal-dizer tem sido por mútuo consentimento, tal como a Cat está a propôr à Summer.

    Mas sem dúvida que às vezes apetece escrever ‘verdades’, pelo menos do ponto de vista de quem escreve, sobre certos assuntos e/ou pessoas e que acaba por desistir por se tratar de blogues colectivos.

    Para acabar, dentro de algum tempo escreverei um texto verdadeiramente ‘mal-dizente’ (o meu primeiro) e sem qualquer combinação prévia sobre uma personagem sliana que me irrita profundamente pela sua falsidade, pretensiosismo e ainda por cima, sendo ‘quase público’ que a maior parte do que diz e escreve é como testa de ferro de outro ou outros.

  • M2

    Ah!, lembrei-me de um pormenor, não sobre o post da Cat mas do seu comentário a propósito da proposta feita à Summer sobre dois posts com o mesmo título: não tendo o tema absolutamente nada a ver com mal dizer, mas pretendendo ser um tema de reflexão (se calhar daqueles tais posts chatos), a AnaLu e M2 têm previsto um texto conjunto e para publicar em simultâneo aqui e no blogue portucalis 🙂

  • OK, bora lá !!! Quero ler essas coisas todas e ver se arranjo um cadinho pra escrever também !! Ai… esta mania de não resistir a desafios, ahahaha

  • M2, tenho ideia que o Imso usou a palavra, sim, mas o conceito era mais antigo que isso: no fundo, são as tais expectativas que as pessoas criam em relação aos blogs que lêem. Por exemplo, um conceito que sempre achei curioso foi o facto de o blog Escárnio ter sido criado, entre outras coisas, para que as peixeiradas não “conspurcassem” os blogs “limpinhos” sobre o SL. Volta e meia leio uma peixeirada e vai logo alguém dizer “olhem e se mudassem este assunto para o Escárnio?”. Ora isso, quanto a mim é um disparate total. Quem escreve coisas que podem causar polémicas não tem que as desviar para outro lado, antes pelo contrário: aguenta-se à bronca e ainda vê o blog subir no page rank com os hits lol! 😉

    Quanto às “verdades”, enfim, há sempre vários lados e o autor que as escreve tem que saber que não vai fazer muitos amigos assim lol e sofrer as consequências disso. Como eu agora estou a sofrer ali o facto de o Electro sair do SL por minha culpa (o que vale é que sei que ele está a brincar). Aliás esse meu post de baixo é um exemplo (coisa que eu nem sabia quando o escrevi) dos vários lados de um assunto (neste caso, o lado que se lê e o outro, que quem lê desconhece, mas que causou o facto que deu origem ao post).

    E, sim, tens toda a razão quando dizes que num blog colectivo é muito mais difícil escrever sobre algumas coisas. Pois claro que sim, porque até podes estar a colocar em causa os outros autores ou a envolvê-los como um todo, mesmo que cada post seja da responsabilidade total do seu autor. Aliás, em tempos tivemos uma conversa sobre isso…;)
    Ainda há uns tempos, escrevi um post sobre a minha relação com uma pessoa ligada ao SL: mas preferi colocar esse post no meu blog pessoal, porque me pareceu ser esse o sítio certo para o fazer.

    Já ouvi referir esse post conjunto Analu/M2 🙂 Ficamos à espera dele. 🙂

    Summer, ora então

    “Era uma vez uma bruxa muita má e uma princesa muita linda que viviam na mesma ilha” :PPPPP Tás a gostar, é um bom princípio não achas? :DDDD
    Vai uma maçã? 😉

  • ElectroescadaS

    Será que estou a brincar CAT? 😈

  • mermaid

    voilá, na mouche. voltaste, viva!!

  • Suspense… Suspiros (de alívio)… Mais suspense…. Ahahahaha!!! Estou a gostar!
    Bora dar uns saltos, uns mortais encarpados, umas cambalhotas, rebolar na areia, esfregar na relva e virar o balde das pipocas?

  • Pus um acento a mais no ‘e’. Foi da excitação. 🙂

  • Electro, se não estivesses a brincar, o problema seria teu! Xacáver como se faz aquele smiley 😈

    Mermaid, voltei, voltei, lol, a ver vamos. 😀

    June, isto é bestial, já viste que se pega? O entusiasmo e tudo! LOL

  • ElectroescadaS

    Claro que o problema será sempre meu se decido estar ou não no SL porque felizmente sou eu que contolo o meu avatar mas se há coisa que não preciso é que outras pessoas “tenham pena” de mim. É que detesto cínismo e como dizes e muito bem não me conheces de lado nenhum (felizmente). 😈

    Gosto de tempos a tempos de visitar este blog porque independentemente das “bocas cínicas e do lavar de roupa suja e das badacalhoquices” é um blog sobre o Second Life Português e pode-se “aprender” alguma coisa mais. :mrgreen:

    As pessoas detestam por sistema participar em fóruns (caso do extinto SLLuso e de um tal SLPortugal se não estou em erro) e os blogs acabam por se tornar o ponto de encontro que as pessoas num dado momento das suas vidas onde o SL, MSNs e/Gtalk não estão presentes para interagirem umas com as outras.

    Amizades que se criam e inimizades também (:lol: o nosso caso :lol:)

    De resto, parte do que referiste CAT retrata exactamente a vontade de escrever e postar aquilo que muito bem quisermos sem olhar a quem, perdermos a nossa individualidade só para fazer jeito comigo não funciona e nesse aspecto talvez tenhamos isso em comum… 🙁

    Estes ícones são giros…

    Cumprimentos e larguras… 😉

  • Electro, acho que ainda terei que escrever um post sobre isso um dia destes: lavar a roupa suja é uma actividade limpa, contrariamente ao que muita gente pensa. Se se lavasse mais roupa de forma aberta, talvez não existisse tanto cinismo; é que o cinismo é exactamente andar de cueca sujinha a fazer de conta que está muito lavadinha e a apontar o dedo aos outros. Nota que isto não se aplica ao caso em concreto que nos levou a polos opostos: é uma consideração generalista sobre a tua expressão “bocas cínicas e do lavar de roupa suja e badalhoquices” que aplicas ao meu blog.

    Não faço ideia se as pessoas detestam foruns ou não: eu tenho blogs onde escrevo porque gosto de escrever, não necessariamente de comunicar; se a conversa se estende aos comentários, pois muito bem, se não se estender, também muito bem. Como tu mesmo dizes, escrever o que bem entender sem perder a individualidade só para fazer jeito, como é evidente. E toda a gente é livre do mesmo, basta abrir um blog que é a coisa mais simples do mundo ou usar os comentários, os foruns, etc etc, se não tiverem paciência para manter um blog.