GetaSecondLife

Ilhas 100

Quando compramos as primeiras parcelas, em Red Apple Island, o Miguel escolheu o nome para a primeira, 100 Pressa e eu para a segunda, 100 Medo. A lagoa ficou depois o 100 Limite, o nome agora do nosso terreno novo.

Um dia liguei a coisa e tinha a conta carregada de lindens. Tinhamos vendido uma das parcelas. Fui ver qual era; a 100 Medo. Ainda não tinha nada e fomos cuscando, para saber como era o novo dono. São coisas engraçadas, estas, a preocupação com o terreno antigo, se vai ter uma construção horrível, se vai ser bonito. Uns dias depois, a casa japonesa da Aral Levitt pareceu-me bem e agora até está muito giro mesmo. Mas, durante esses dias, nunca calhou encontrar o dono.

É que me estava a causar alguma curiosidade que não mudasse o nome. Lá continuava, 100 Medo, o nome que lhe dei, a frase descritiva, tudo na mesma. Coisa estranha, será que o homem não sabia alterar? Não era português de certeza, não lhe faria sentido algum.

Finalmente, há dois dias, encontrei-o. Fui falar com ele, disse-lhe que aquela parcela tinha sido nossa, as outras ainda eram e lá lhe perguntei a razão de não mudar o nome. Porque tinha achado imensa graça, respondeu. “Without Fear”. E ainda mais com o número. Tinha uma amiga portuguesa que lhe tinha explicado. E se eu me importava que ficasse tal como estava.

Disse-lhe que não, claro que não me importava nada, antes pelo contrário. Ficou o nome e a frase, que poucas pessoas verdadeiramente entendem. E é estranho, num mundo tão volátil, onde tudo muda de repente, ficar ali aquilo, assim, já fora da nossa mão, ainda tão nosso.

label: daqui a nada ainda me ponho a ler a sina nas folhas do chá

  • Qualquer dia está a ler o 100nada (without nothing?).
    Já não sabes viver sem labels (é uma espécie de pensamento adicional), não é?

  • Cool Mum

    é a diáspora da língua portuguesa na SL…

  • Maria Gherardi

    não Tess!

    as labels são pensamento fundamental! compreendê-las e atribuí-las é função daquilo que, ao que parece, ajuda a distinguir-nos dos outros animalecos todos (isto é o que dizem!): pensamento abstracto!

    ninguém vive sem labels!

    agora, no que toca a estas coisas de inventar labels para coisas novas – aka criatividade – óuó, bibá Cat! os nomezitos são fantásticos!

    e eu desenvolvi entretanto um carinho especial pelo 100limite! se eu fosse rica… o 100limite seria meu!

    ahhhh, mas um dia chego lá!

  • Tess, tu alguma vez viste o tasco com tradução automática? Fica (ainda mais) incompreensível! 😉
    Pois, uma pessoa habitua-se ao labelzinho catita, não é? 😀

    Cool, adoro a palavra “diáspora” LOL! (e de te ler por aqui também…não te sentes tentada, às vezes? ;))

    Maria, a Tess sabe, hehehe. Sabes, esta história dos labels tem um “passado histórico”: quando o blogger passou a ter labels e a rapaziada passou a laberizar os posts à séria, com keywords e o caneco, alguns/algumas bloggers assim mais irreverentes passaram a meter no label uma espécie de rodapézinho que é um misto de resumo/comentário irónico/dedicatória/nada-a-ver, enfim, nós gostamos destas palhaçadas. Lá no 100nada até escrevi posts que eram só o label…;)

    O 100limite é giro, é é. 🙂

  • Maria Gherardi

    lol
    deu-me um ataque de academismo, mas já me passou!

  • Miguel Yesheyev

    Tem a sua piada, sim. Venham mais entusiastas para as outras duas 😉 LOL!

  • 100stress 🙂

    Agora a sério. Eu acho que 100 um pouco de 100timentos, esta coisa do 100conde life é uma GANDA SECA.

    100 100timentos Não.

    Eu, se tivesse um parcela, dáva-lhe o nome de

    100tiago do Ca100

    🙂

  • Maria Gherardi

    looooooooooooooooooooool

    100tiago do ca100 é demais!

  • E 100terra?