GetaSecondLife

Experiências na SL™, um testemunho:

“A minha melhor amiga esteve séculos para me convencer a entrar na SL™. E quando finalmente conseguiu, descobrimos que o meu PC não tem capacidade de memória suficiente…desilusão. Ainda assim (e porque já estava mortinha de curiosidade) aproveitei uma noite que estava em casa dela para jogar. Criámos uma boneca básica, demos-lhe um nome pirosérrimo, formatámo-la em 5 minutos com uma roupita e cabelos de umas caixas gratuitas e estávamos prontas para a acção.

Primeira paragem: procurar lésbicas. Com ajuda do search descobrimos uma ilha, é só carregar num botão e estamos lá. Grande ajuntamento de bonecas (ou seriam raparigas?) mas nenhuma responde aos meus cumprimentos, demasiado ocupadas em descobrir voyers no meio delas. Aqui não sou bem acolhida, volto ao search.

Segunda paragem (ainda no search de lésbicas): uma praia com uma fogueira de aspecto acolhedor. Várias miúdas (ou seriam bonecas?) conversam de assuntos típicos de mulher (“aquela nunca mais apareceu”, “espero que esteja bem”). Não são propriamente simpáticas nem me fazem propostas (será que sentem que não pertenço mesmo ali?) e só a custo consigo que uma delas converse um pouco comigo. Estou a ficar com pena dos homens que têm que passar por isto sempre.

Terceira paragem: mais um search e descubro um bar de s&m. Logo à entrada está um homem (avatar?) a oferecer sexo oral virtual. Experimento mesmo sem o cumprimentar, subitamente a educação parece estar num plano longínquo. Em detalhe vejo que a coisa não está bem feita, parece que os programadores da Linden Lab® ainda têm algum trabalho pela frente. Agradeço-lhe e entro dentro do bar. Há máquinas para poses estranhas, com bolas acopladas e um varão. Danço um pouco no varão mas farto-me rapidamente.

Quarta paragem: bar dos portugueses (a conselho da minha amiga). Vazio com excepção dos donos e um rapaz sentado numa cadeira com uma camisola da selecção. Sento-me ao pé dele e imediatamente mete conversa comigo. Dou-lhe uma identidade falsa, digo-lhe que não falo português e ele (mal falando inglês) esforça-se para continuarmos a falar. À terceira linha de chat pede-me para namorar com ele. Aceito e experimentamos as bolas disponíveis: dança, beijos, sentar agarrados, etc. Estas bolas parecem-me ter movimentos mais credíveis do que as anteriores.

De repente olho para as horas na rl e upsss, é tardíssimo. Despeço-me do namorado novo e desligo a SL™. Afinal ainda bem que não consigo instalar isto no meu PC, tenho a sensação que rapidamente me poderia habituar a isto.”

Sobre Tess, ex aut

Entrei no SL pela mão da Cat. Demorei a entrar no esquema, confesso, e comecei por achar aquilo tudo uma grande confusão. Um bocado como estar num sítio estranho no meio de estranhos. Depois, com umas ajudinhas, fui começando a achar piada à coisa, a este mundo virtual onde (quase) tudo é possível.
  • Porque é que este relato não me surpreende…?

    Há pessoas que me adicionaram e que não me largam! Acho que vou arranjar um(a) partner só para me deixarem em paz.
    Já não suporto ver os IM’s sempre a piscar e quase sempre com a mesma conversa da treta:
    – Como estás? (Bem, obrigada!)
    – O que andas a fazer? (A passear…)
    – Queres companhia? (Não… senão jé te tinha convidado e/ou falado ctg antes…)
    Ufa! Nem dá para respirar… Sufocante!

    Calma… Sim, ando fartinha da conversa da treta.
    Há amigos (não, simples conhecidos) a quem respondo sempre e com quem mantenho SEMPRE conversas simpáticas.

  • Ana, apaga-os do friend list, é simples.

  • Já apaguei… Já retirei as opções para me ver. Mesmo assim, manda-me IM’s e insiste quando estou Busy! E até tem partner… (Não percebo esta gente!)
    Só que acabo por tropeçar nele no Caneco…
    Acho que vai mesmo para o Mute!

  • Jose Flamand

    Ah o SL afinal quer dizer Sexual Life? ahhh, já percebi! Mas isso, a esse ritmo que contas das 4 paragens também me parece a assimilação de uma experiência sexual de forma muito acelerada! (lamento que no meio de tanta variação de S&M não tenha sobrado uma oportunidade para as chicotadazitas que tanto e tao encarecidamente andei rogando)

    (Ana, isso de ser modelo tem os seus inconvenientes – Olha, com o meu cabelo verde é que ninguem se mete)

  • Joao Kaufman

    o Mute ás vezes é a única solução.

  • Summer Wardhani

    Eu sei ke não vem a propósito, hehehe – mas para frequentar esses grupinhos mais fechados, dá jeito aparecer por lá com a tag mais adequada adejando sobre os cabelitos. No caso, sugiro por exemplo a Femme Players… mas há uns kuantos e pra vários gostos 🙂

  • só tu, zé…

  • Boa ideia! Pode ser que o mecinho perceba…

  • A importância que dão à importância que os outros vos dão, mostra a importância que vocês têm.

  • Xiii. Este último comentário foi áspero mas merece reflexão.

  • Cat

    (eu diria antes que é uma frase feita, Rui :DDD)

  • Este Ronin é um perigo 😀

  • Pela parte que me toca:

    I need to be needed
    I like to be liked
    I want to be wanted
    I love to be loved

    E mai nada, de frases feitas estou aviado!
    🙂

  • (eu diria antes que é uma frase feita)

    Cat…estás errada.

    Abraços e bom Blog.

  • Antes de mais, Ronin, obrigada pela visita e pelo comentário! 😉