GetaSecondLife

Turismo

tur1.jpg Tudo parece pacífico e bonitinho.

Mas não é, não exactamente: este second life® não é para crianças, é para adultos. Atrás daquela instalação (não lhe posso chamar outra coisa, o local era maradíssimo) de cubos cobertos de imagens da Alice no País das Maravilhas com vários objectos em 3D, as cartas, as chávenas, flamingos cor de rosa e outros, há uma outra sala com as paredes forradas a “alices hentais”, triplo x. Lá se vai a ingenuidade e ainda não vi nada…

O labirinto tem graça, mas é facílimo desistir, com um click no page-up (voar) e a lagarta está ali quieta, um inferno para lhe tirar uma fotografia: a toda a volta o local era vedado com as riscas vermelhas no céu de “no entry” (já estou a falar chinês?)

Quanto ao “natal”, andei às voltas de comboio, ao som de sininhos.

(apanho-me a pensar, isto é tão chato, mas ao mesmo tempo não é, não é…é a falta de objectivos, é poder fazer tudo e não fazer nada, só voar ali às voltas: descobrir as coisas mais extraordinárias no meio do nada, estradas que acabam de repente, pontes suspensas sobre rios, barcos de piratas, helicopteros, enfim, um gigantesco site de construção de modelos virtuais em 3D)

E com isto tudo, ainda não escrevi o texto principal: qual é a verdadeira diferença entre o SL(TM) e o resto. Mas é evidente em todo o lado onde se chega, a publicidade aos produtos é esmagadora. Aquele dinheiro de monopólio pode ser convertido em dólares reais. É isso, é esse o cerne de tudo isto e onde reside também grande parte do meu interesse pelo programa (não consigo chamar-lhe jogo), essa componente que muda tudo: existir um câmbio Linden USD/USD.

  • ah… TÃO GIRO!

    Não encontrei isso mas descobri uma cidade de cowbots e uma ilha de borboletas. Demais!!