GetaSecondLife

GETA interview – Marina Xi

Marina Xi 1

A Marina Xi é uma residente que, actualmente, se dedica ao landscaping no SL. Ou seja, ocupa grande parte do seu tempo a decorar sims à semelhança do que é feito por um arquitecto paisagístico. Todos os cenários que conheço decorados pela Marina revelam um extremo bom gosto assim como grande atenção a detalhes tornando-os espaços únicos dos quais temos vontade de usufruir. A Marina é daquelas pessoas fantásticas ao lado de quem não damos pelo tempo a passar enquanto conversamos.
A Marina tem também um blog sobre o SL onde vai relatando as suas aventuras: Marina Xi @ Metaverso. Recomendo a visita ao blog assim como aos espaços criados pela GlenXi.


Marina Xi 3
1 – Como descobriu o Second Life e o que o motivou a criar uma conta?
Descobri o Second Life dia 23 de Setembro de 2006 ao folhear a revista sábado, motivou-me o facto de referirem na reportagem que era possível ter uma profissão e ganhar dinheiro real. Criei a conta no dia seguinte.

2 – Muitas pessoas desistem do Second Life na primeira semana ou no primeiro mês pelos motivos mais variados sendo que o mais comum é não se saberem orientar. O que determinou a sua permanência no SL durante todo este tempo e o que o motiva a voltar dia após dia?
Andei desorientada durante algum tempo, comecei por utilizar o search e teleportar-me para os mais variados sítios, fiz isto durante bastante tempo, quase não dormia. Andei deslumbrada com o que via e passava horas nisto, quando digo horas…assumo que chegava a ficar ligada 10 horas consecutivas. Embora hoje tenha compromissos profissionais dentro do second life estes só surgiram porque a criatividade fez com que estivesse ligada horas infindáveis, compromissos á parte é a criatividade sem limites que me motiva a voltar dia após dia.

3 – Como ocupa o seu tempo no SL?
A explorar ou a trabalhar, confesso que embora tenha uma grande admiração por imensas pessoas das quais apenas conheço os pixeis, a vertente social nunca me estimulou no second life, não consigo ficar a olhar para o écran a ver a Marina a dançar em festas ou convívios. Essencialmente trabalho a fazer paisagens para uma empresa italiana e para a GlenXi, quando não estou inspirada exploro…ah..e claro também gosto de enfeitar a boneca e muitas vezes dou por mim a vestir-me inspirada em qualquer conjugação de roupa que vi ou experimentei na Marina Xi.

4 – Alguma vez desistiu do SL? (Porquê? )
Nunca desisti mas pensei nisso muitas vezes, muitas mesmo. Essencialmente pelo tempo que é necessário para fazer qualquer coisa, o facto de as horas passarem sem me dar conta e o que deixei de fazer nessas horas, as pessoas com quem não estive, o telefonema que ainda não fiz.

5 – O que mais lhe agrada mais e menos no Second Life?
O sonho e a criatividade sem dúvida é o que mais me agrada. O que menos me agrada são os conhecidos limites da plataforma.

6 – Descreva-nos o seu percurso no Second Life.
O meu percurso…esta não é fácil. Entrei, andei por aí desorientada como todos, com a diferença de não haver sítios com portugueses, nem o tutorial de entrada, além de explorar que foi o que fiz durante alguns meses passava uma ou duas horas num bar latino que tinha uma bom sploder a amealhar lindens, foi neste bar que conheci os primeiros portugueses, a Violeta Yakan, o Tim Lederberg e a Arod Erde. Os primeiros toques no meu avatar foram dados com a ajuda do Tim, a Arod foi quem me convenceu que o sploder não chegava para pôr a Marina Xi bonitinha, lá comprei lindens e fomos ás compras á séria 🙂 e a Violeta foi das primeiras a arrendar terreno e a tentar juntar portugueses explorando a vertente mais social do SL. Conheci o Philip Glenbrook e fui contratada para decorar a casa dele, um desastre, perdia a mobilia debaixo do chão, enfim ficámos amigos até hoje e foi com ele que iniciei o gosto por desenvolver ambientes e paisagens. Começaram a surgir notícias nos media portugueses e no dia seguinte apareciam imensos avatares novos á procura de fortuna e divertimento, foi nesta fase que criei um grupo para ir convindando os que encontrava e foi através deste grupo que fui contactada por um avatar que procurava alguém para instalar a sua agência de publicidade no second life, achei que era mais um curioso…mas depressa que apercebi que se tratava de umas das melhores agências de publicidade 100% portuguesas – PARTNERS – e foi para mim uma honra trabalhar com a equipa dentro e fora do second life. Depois as ilhas da minha micro-empresa GlenXi com o Philip e Italia Vera que são os projectos que me ocupam 90% do tempo que estou online.

7 – Relate-nos um episódo ou episódios caricatos que lhe tenham acontecido no Second Life.
Caricatos talvez não seja a palavra mais indicada, mas sem dúvida o sl proporciou-me momentos interessantes. Estava na altura na direcção de marketing de uma empresa e tive o gosto de convidar o Tim Lederberg (músico e actor na RL) para actuar num dos eventos que realizei. Recebi a visita do Philip Glenbrook duas vezes em Portugal e tive oportunidade de ver o nosso país através dos seus olhos. Conheci a fantástica equipa da Partners e daqui por alguns dias vou a Washington através de um amável convite do Philip Glenbrook.

8 – O que é, para si, o Second Life: um jogo, um metaverso, um mundo virtual?
Não sei definir, talvez metaverso seja o mais abrangente. A experiência que tenho tido através do contacto com os inquilinos leva-me a nem sequer querer arriscar uma definição.

9 – Alguma vez teve problemas relacionados com a plataforma? Se sim, como o reportou e qual a sua opinião do feedback por parte da Linden Labs?
Já tive problemas, nada de grave, nunca reportei.

10 – O que mudaria no Second Life?
Aumentaria os limites, possibilidade de concentrar mais avatares num evento, compreendo que se o terreno não fosse tão caro o sl não teria o mesmo impacto, mas aumentaria o número de prims por m2, mas enfim…sou uma leiga, não faço ideia da problemática por trás destes limites. Mas sem dúvida a questão de poder reunir mais avatares num local seria a mais interessante para trazer mais empresas e para estimular as presentes a utilizar a plataforma como meio de comunicação.

11 – De todas as possibilidades oferecidas pela plataforma e pela Linden Labs, conhece e utiliza todas as funcionalidades disponíveis?
Não. Com muita pena, não sei fazer vídeos adorava fazer um. Deve haver mais coisas que não utilizo por desconhecimento.

12 – Quais são os seus projectos actuais e futuros no Second Life?
Actuais, terminar a Basilandia, a ilha privada do avatar por trás do projecto Italia Vera, 15.000 prims para uma ilha de sonho onde estabeleceu a sua residência oficial no second life e fazer crescer a GlenXi , o futuro é uma incógnita, mas sem dúvida aprender mais e mais.

13 – Daqui a 5 anos, o que será o Second Life? Consegue projectar a carreira do seu avatar nesse médio prazo?
Não consigo e não sei o que será o second life, há empresas com capacidade económica para lançar no mercado uma plataforma com capacidade de deixar o second life a milhas de distância. Não sei o que irá acontecer.

14 – Tem alguma sugestão de alguém que gostaria de ver entrevistado neste espaço?
Está bem entregue nas vossas mãos.

Marina Xi 2

  • Miguel Yesheyev

    Gostei muito desta entrevista. Imenso, mesmo. Boa sorte Marina e obrigado Ana por mais esta (excelente) entrevista.

  • Miguel, recomendo que vás tirar fotos aos espaços criados pela Marina. 🙂

  • Cat Magellan

    São lindos. Nós já andamos por lá. E a Marina é um amor de pessoa. 🙂

  • Miguel Yesheyev

    ok Ana, vou dar umas voltas por lá 😉

  • Ana, aqui está um blog que vais achar interessante 🙂

    http://evansavenue.wordpress.com/

  • Marina,
    parabéns por suas criações.

    Também ADORO viajar pelo SL em busca de lugares exóticos, curiosos, bonitos.
    Ainda não me arrisquei a construí-los, acho que estou mais para Guia Turístico. Quem sabe não abro uma empresa de TURISMO no SL. Pode ser um bom projeto.

    Adorei seu BLOG e a dica de teatro, Não imaginava que haveria uma peça sendo encenada no SL. Vou conferir.

    Abraços brasileiros!
    Luthien