Home » Archive for "histórias no SL®"

Boa Páscoa !

Bom, apeteceu-me passar por cá. Para desejar uma excelente Páscoa a todos e informar já fora de horas que a patroa Cat Magellan festejou ontem mais um aniversário. E como eu de vez em quando me lembro destas coisas, resolvi ir ao terreno dela e elevar umas montanhas altaaaaas!

No cimo, ficou isto:

… e agora vou fugir antes que ela me bata 😛

Passado, Presente, Futuro

Em geral, quando começo a escrever um post, sei exactamente o que quero comunicar. Bom, é verdade que por vezes os posts ganham vida própria e às tantas dou por mim a olhar para um texto um tantinho longe daquilo que pretendia inicialmente. As palavras são assim, têm vontades só delas e arrastam-nos atrás nos momentos mais inesperados.

Ah não, não vou filosofar muito. Até porque hoje, na verdade, nem sei bem o que me apetece escrever. Apetece-me dizer que Novembro foi o mês do nosso terceiro rezzday – da Cat, da AnaLu e do meu. Tanta, tanta coisa aconteceu nestes três anos, que nos mudou, nos fez crescer, nos fez compreender melhor quem somos e o que queremos. Digo eu, claro que vejo estas mudanças em mim e as apercebo nas meninas que aqui me acompanham.

Queria lembrar-me sempre que foi por este mês que me mudei para o 100Limite, onde comecei mais a sério as minhas experiências de landscaping e fotografia. Foi só um ano? Parece ter sido desde sempre…

Dou por mim dividida entre a necessidade de dizer que o agora é o fim de um capítulo… e a falta de vontade de o fazer. Pois é, as gajas são por vezes complicadas e eu não fujo à regra. Claro que estamos a chegar ao fim de uma etapa, cada qual à sua maneira a tentar multiplicar-se por vários ambientes cibernautas e reais, a vida física a chamar por nós e a evoluir, a andar para a frente sem se compadecer de eventuais responsabilidades virtuais.

E é para a frente que andamos. Por mim, tendo sempre a achar que o fim de um estado qualquer é apenas o inicio do próximo. Em geral, a excitação dos novos desafios supera a saudade do que ficou para trás e por isso não sou muito de me prender ao que já passou. O que vivi, integro-o na pessoa que vou construindo a cada dia.

never-two

Acho que é sobretudo dessa forma que quero olhar para este momento: com gratidão pelos bons e maus momentos que o SL me ofereceu, mas soobretudo com enorme esperança em tudo o que o metaverso tem ainda para me ensinar… e de preferência, com as meninas aí por perto, neste cantinho ou em outro qualquer.

farmville-girl-2

Guimarães – onde Portugal nasceu

Para mim, o joaoluis5858 Foden é um dos melhores construtores portugueses no metaverso. Basta visitar as ilhas de Portugal Center para o confirmar e testemunhar a evolução do trabalho que tem feito ao longo dos dois anos de presença in-world para nos deliciarmos com os universos que vai recriando. Porque o JL se dedica sobretudo a transferir lá para dentro os cenários que, cá fora, mais significado têm para ele – a maior parte das vezes construções características da nossa vivência lusitana.

Desta feita, dedicou-se a recriar Guimarães, a nossa cidade berço, incluindo nesse local uma série de elementos inconfundíveis das nossas raízes. Apesar de instalada num sim estrangeiro, a Bliss Island, em menos de um ápice nos sentimos em casa, ou não fosse ele um gajo particularmente atento aos detalhes e não utilizasse sempre texturas próprias da mais elevada qualidade.

Aconselho a visita… ora vejam lá:

guimaraes-iii
Vista geral

guimaraes-by-the-sea
Vista sobre o mar

guimaraes-this-side-of-the-bridge
Do lado de cá da ponte, a cidade construía-se dentro das muralhas do castelo, proporcionando segurança aos habitantes

guimaraes-that-side-of-the-bridge
Para lá da ponte, o moinho de água e a floresta

guimaraes-providing-food
Não, nós não éramos só pescadores

guimaraes-the-sea-far-away
Estes silos não vos parecem familiar ? Eu conheço uns quantos que até se encontram ainda em funcionamento, lá pelas bandas de Viseu.

guimaraes-i
No fim da cadeia de produção, era tudo vendido nos mercados e praças por esse país fora

guimaraes-ii
Detalhe de uma cabana, não parece mesmo que estas paredes foram pintadas agora mesmo?

A visita vale a pena. Não tenham medo de abrir portas e coscuvilhar dentro das habitações, muitas estão mobiladas de forma fidedigna. Na casa senhorial, não falta a roca e o fuso, os bordados medievais nem o cão, lol. A igreja, é simples e despojada, como seria na altura, já que a pompa e o luxo da igreja católica se instalou séculos mais tarde.

Descubram a fonte de água, lá nas profundezas do castelo. Subam às ameias e usufruam da vista, respirem fundo… e deixem-se ir para outros tempos, mais simples quiçá

Jardim sem limite

jardim-100limite_blog

Descobri, por fim, as flores com que ando a sonhar há meses. São sculptie prims, o que significa que um único prim ocupa logo uma área considerável e… são copy, yuuppie! Encontrei-as na Organica Specialty Trees, que oferece um fat pack de oito espécies diferentes por apenas 1000 L$. Cada uma das variedades vem ainda com opções côncava, convexa e outras que ainda não experimentei, mas que permitem plantar cada flor direitinha no terreno mais acidentado.

E foi assim que começou a nascer um jardim sem limite, lá em casa. Para já, no canto ao lado do barco pirata… mas em breve as flores invadirão todo o sim. Porque é Primavera, talvez. Porque sim.

Falso concurso fotográfico – cortesia da Opium

Claro que não é surpresa para ninguém que in-world andam calmamente à solta pessoas de todas as estirpes. Inclusive as de baixo nível, falta de personalidade e objectivos enganosos. Desta feita, venho apenas alertar-vos para teem cuidado com os concursos que se anunciam por aí. Eu, caí na asneira de concorrer a este da loja Opium, que anuncia concursos sem se dignar anunciar se há ou não vencedores, se as fotos apresentadas não corresponderam aos critérios minimos ou dar uma qualquer satisfação por mínima que seja.

E não contentes com isso, não se dignam sequer dar uma resposta quando um concorrente lhes pergunta directamente pelos resultados do concurso, o que demonstra uma atitude altamente profissional… e a qualidade da educação que a mãezinha deles lhes deu, LOL

Na minha opinião, parece-me tratar-se meramente de mais um golpe publicitário para levar as pessoínhas a comprarem lá os items e a concorrerem. No que me diz respeito, loja definitivamente a evitar, que gentinha desta laia não merece de todo os meus suados lindens, hehehe

Obras em casa

Após a remoção das bancas de “peles” colocadas no 100Limite no âmbito da campanha de beneficência “Heart of Love”, vamos entrar novamente em obras. Por isso, agradecemos atenção ao equipamento espalhado por aí – atenção aos pregos pelo chão… e nada de andar às cabeçadas aos caterpillars.

Desta vez, o objectivo é acomodar O Caneco – para quem não sabe, o Caneco (o lindo nome *cof* *cof* é da exclusiva responsabilidade da Menina Magellan, claro) foi o primeiro ponto de encontro dos portugueses que no final de 2006 começaram a descobrir o metaverso. Tem duas características especiais que o distinguem de todos os outros clubes, discotecas e outros congéneres à solta na grelha: primeiro, tem deambulado que se farta por terras portuguesas e estrangeiras (diz ele que a vida de nómada lhe abre os horizontes); segundo, deve ser o único clube que apesar de abandonado por proprietários anteriores resiste agora e sempre, contra ventos e marés, hehehe.

Ou seja… O Caneco continua! E dentro de poucos dias espero já conseguir apresentar-vos as primeiras fotografias da casinha nova do nosso menino.

Entretanto… façam o favor de ser felizes, sim ?

São Valentim

Tenho que admitir que por uns momentos fiquei indecisa, a olhar para o objecto que a AnaLu me tinha enviado como prendinha de S. Valentim. É que, estão a ver, é daqueles objectos compostos que nos aparecem no inventário como um conjunto de cubinhos. E dita-me a experiência qu em geral tais objectos se espalham por vários metros quadrados ao nosso redor e nos ocupam os últimos prims disponíveis.

Contudo, a curiosidade falou mais alto. Respirei fundo e rezzei o objecto, por minha conta risco. O resultado foi este… uma série de corações gigantescos espalhados por tudo quando é lado. Durante uns minutos, fiquei a rir sem me conseguir conter, a vê-los cair da skyhouse e serem-me devolvidos ao inventário por terem ido parar ao vácuo. E não resisti a partilhar, claro – esta perspectiva única da minha casota.

090215_001

*me pega na vassoura e desce ao pântano para limpar os restantes corações que estarão espalhados lá em baixo*

Philip Linden em entrevista

Sexta-feira, dia 6 de Fevereiro de 2009 às 18:30, na ilha Alma. Na ilustre companhia da Gwyneth Llewelyn e do tpglourenco Forcella assisto à primeira entrevista de Philip Rosedale a um dos principais meios de comunicação social do nosso país. Mais tarde juntar-se-íam a nós a Afrodite Ewry e após a dita entrevista também a Leonor Abramovic de Portugal Center.

090205_022

A entrevista insere-se num trabalho de cerca de 40 minutos sobre o SL. O português sobretudo, mas também o global. Um trabalho aprofundado de um jornalista que se deu ao trabalho de passar quinze dias in-world a perceber o contexto, a pesquisar, a compreender. Uma reportagem a não perder, já que será transmitida a horas pós-laborais, em que a maioria entre nós já estará por casa. Ou, em alternativa, acessível a quem tiver internet por perto.

Acima de tudo, interessantíssimo ouvir em primeira mão as ideias de quem sonhou e estabeleceu este mundo em que vivemos. As motivações por detrás das diversas opções e inclusive uma ou outra ideia nunca antes expressa. E provavelmente, apesar de se tratar de uma manobra de relações públicas, soube bem ouvi-lo também fazer perguntas àcerca das necessidades específicas dos residentes portugueses.

(a continuar)

Delírios

Desculpem, mas não resisto a partilhar. Ora então, façam lá um close up na imagem em baixo:

catwoman-latex-1

Ah, esperem, há um ângulo complementar que talvez ajude…

catwoman-latex-2

Pronto – que tal ? Opááá, a sério! Eu às vezes adorava mesmo, mesmo, mesmo… mergulhar literalmente dentro da cabeça de algumas pessoínhas! Aposto que a desta é um autêntico parque de diversões do mais delirante que possa existir ! 😀

Loirices

Não tendo um único cabelo loiro na minha cabeça (desculpem lá as loiras em todos os tons, nothing personal) eu sou, como todos sabem, profusamente burrinha e lentaaa. Levei três dias para conseguir usar o voice in-world, pelo que nem preciso adiantar mais nada, fica a coisa comprovada.

E é sem dúvida por isso que de quando em vez tenho estas dúvidas existenciais e faço perguntas às quais toda a gente sabe responder – e ainda bem, que sempre me vão iluminando o caminho – thanks !

Em outubro passado, quando explodiu a polémica do aumento dos preços nos OS, apareceram uma data de grupos in-world para os “salvarem”. Os tais grupos SOS ou coisa semelhante. Eu, como na altura tinha quatro e morava num outro, aderi a um deles. De que fui ejectada passado pouco tempo, aparentemente por dissenções internas (nomeadamente, alguém acordou mal-disposto uma manhã e resolveu correr com toda a gente do grupo, ao que percebi). Lá andei à procura de outro que me parecesse minimamente fiável, e acabei por aderir ao +SOS+. As minhas primeiras impressões foram boas, o pessoal andou a fazer manifestações, a azucrinar o Jack durante as office hours e tal e depois avançou com a ideia de uma acção legal, interposta por todos quantos se sentissem lesados com as novas medidas.

Entretanto, eu já tinha afundado os meus queridos OS todos (foi um dia particularmente feliz, ver aquilo ir pelo cano, mas enfim, c’est la vie), mas até achei a ideia boa. Claro que para lançar a acção, contratar advogados e tal era preciso um fundo de maneio, e o pessoal foi contribuindo com umas doações (ao que fui vendo, algumas até de vulto).

E… pois. Os meses passaram. Entre os dirigentes do grupo, para variar houve desentendimentos e uns quantos acabaram por sair. Eu, permaneço no grupo até hoje porque continuo a achar a conversa interessante – algures entre o patético, o joga-cá-mais-um-cadinho-de-areia-para-os-meus-olhos-que-eu-gosto, os lindens infiltrados a sugerirem que nos mudemos todos para a mainland e outros dramas avulso.

Em relação à dita acção legal, nunca mais se ouviu uma palavra… e opá, eu gostava mesmo de saber o que vão fazer ao dinheirinho doado com tanta boa vontade. É que se afinal não precisarem dele para nada, a malta também aceita doações, hehehe ;D

O 100Limite na capa da FreeLife Magazine

Ora digam lá… não está uma capa linda ? *Ataque de tosse* Pois, é claro, a minha opinião pode não ser totalmente isenta e imparcial, mas não é todos os dias que um artigo elaborado por um residente do sim tem honras de capa de revista… e logo com uma foto destas que nos mostra ali a zona central da terrinha onde vivemos 😀

freelife-32

Ao Petros Miklos, os nossos parabéns pelo excelente artigo (é-me permitido babar de orgulho, pois sim?). E espero que apreciem a leitura da mais recente edição da FreeLife – com o tempo que faz lá fora nada como entretermos os olhos com paisagens mais agradáveis, hehehe 😉

Da minha janela…

090113_001

… é esta a vista que tenho. Para onde fico a olhar tempos infindos, enquanto cá dentro, o Tico e o teco descomprimem ao fim do dia.

Da minha janela, vejo o tempo virtual a passar, o dia dar lugar à noite e as estrelas brilharem lá em cima.

Por estes dias, neva para lá da minha janela, mas tempos houve em que o sol brilhava todo o dia e se reflectia na areia da minha praia.

Do lado de cá da minha janela, é onde me refugio e escondo quando o mundo lá fora me parece apenas um sítio ameaçador e escuro. Do lado de cá, a lareira acesa aquece-me a alma, e as letrinhas de um livro qualquer prendem-me os olhos, a atenção… e lentamente tudo encaixa de novo nos sítios onde pertence.

A minha janela, tem quase sempre as janelas abertas. Porque, por mais frio e mais escuro que esteja lá fora, é por elas que eu espreito e deixo o tempo escoar-se…

Se quiserem partilhar a vossa vista, enviem-me uma foto da vossa janela para summerwardhaniatgmailpontocom. Terei todo o gosto em publicá-la, juntamente com qualquer texto que a acompanhe, seja em prosa ou em poesia. Beijocas e façam o favor de ser felizes, sim ?

Dog Wedding

As minhas cadelas Spring e Fall foram convidadas para um casamento. O convite veio em nome de Hilda Denimore, que no próximo sábado dia 27 de Dezembro, pelas 9 am (SL Time) vai casar o seu Rottweiler “Mardok” com a sua  Doberman, “Venus”. A cerimónia terá lugar na Dogland Outdoor Wedding Chapel e será presidida pelo famoso Dogfather Vitolo Rossini.

O percurso dos noivos até ao altar foi elaborado e coreografado pelo Consultor Enrice Barbosa, que também lhes desenhou as roupinhas.

Agora, só me falta encontrar dois vestidos estrondosos para as minhas meninas. Sugestões, aceitam-se. Ah, e tenho a certeza que quaisquer outros cães serão muito benvindos também!

Eu confesso que mal posso esperar!! Alguma dúvida que o SL é das coisas mais excitantes jamais inventadas ? hehehe

Esquemas bem pensados

Assim do nada, recebo de um tal Reggie Quan um notecard com o apelativo nome de Concurso “Miss New Years Avatar 2009”. Primeiro, claro, fico pasmada a olhar para aquilo. Não conheço o gajo de lado nenhum, nunca tive a minima pretensão a ser modelo nem miss de coisa nenhuma, e não entendo minimamente de que nuvem (ou skybox, lol) caíu aquilo. Ainda tou a pensar no assunto, e já me está a qparecer também um menuzito daqueles azuis irritantes a convidar para aderir ao grupo das “Mind Blower Models”.

Lambo as pontas dos dedos cheias de açúcar (não perguntem… e sim, eu sei que é feio lamber os dedos, mas a minha mãe não estava por perto para me chamar a atenção, lol) e clico em “dismiss”. Resolvo contudo deitar uma olhadela ao tal notecard, dentro do qual encontro outro ainda com as… ahem… regras do… errr… concurso de… (ataque de tosse profundo)… misses ? modelos ?

Bom, basicamente a coisa funciona assim:

1) primeiro, há que tirar uma foto (só a carinha da gaja – sim, porque os gajos estão de fora e não se podem candidatar  a Miss Ano Novo) e enviá-la ao tal Reggie Quan, que vai seleccionar 100 candidatas entre todas as que concorrerem.

2) sensivelmente de 30 de Dezembro a 15 de Janeiro, decorre a votação. Espera-se, claro, que as concorrentes spamem todos e mais alguns nas suas listas de contactos para irem votar.  Ah, esperem, votar e doar !! Pois é, um dos objectivos é ganhar um prémio em dinheiro, que depende das doações dos votantes (começa a soar estranho ? Pois, a mim também começou).

3) no final, a avatara mais votada, tem direito a usar uma tag com aquela tag fantástica – a tal de Miss New Years Avatar 2009 e poderá – ou não, o notecard ressalva bem que isso pode nem vir a acontecer – ser chamada para trabalhos de modelo.

4) Em simultâneo, cada concorrente, “ganhará” ainda 20% das receitas doadas por aqueles que nela votarem. Mais ainda, a concorrente que reunir mais fundos, para além dos seus próprios 20% ainda recebe também 20% das doações globais, ou seja, do conjunto das doações de todos os que votaram em todas as candidatas.

Mmm, eu sou terrível a fazer contas. Contudo, de acordo com o Sr. Quan, a vencedora do concurso de Novembro ganhou cerca de 50.000 L$. Agora… é impressão minha, ou o Sr. Quan anda a encher os bolsos – e bem, pelos vistos – à conta da ingenuidade – ou dos sonhos, se preferirem – dos outros ? Se a candidata cujos amigos mais despejaram os bolsos ganhou 50K L$, quanto terá ganho o organizador da iniciativa ?

Confesso que ainda fui cuscar o perfil deste empresário… apenas para descobrir que todos os meses há concursos parecidos, com outros nomes igualmente apelativos como “Miss Fab February 2009” ou “Miss Nude Avatar 2008”. tudo isto quase tão interessant quanto o facto de que num total de nove picks, 5 são fotografias do próprio Narciso, com etiquetas sugestivas do tipo “Stud Shot” e descrições elucidativas tais como “The ladies like” e “The man dresses for success”.

Mmm, não, hoje não é dia 1 de Abril. É dia de Natal, hehehe. E isto também não é a brincar… é sério mesmo!  Sou eu a tirar conclusõs precipitadas ou isto é realmente um esquema muitíssimo bem montado para ganhar uns belos trocos ?

Descoberta do caminho marítimo para o Estreito de Magalhães

Do Cais dos Vidrões partiram, confiantes e destemidos, os marinheiros.

marinheiros_1.JPG
Imagem de Ana Lutetia

De olhos postos no horizonte, por entre escolhos e marés, enfrentaram  com igual seneridade assustadores monstros marinhos de oito olhos e melodiosos cantos de sereia.

marinheiros_4.JPG

Dias tornaram-se semanas, que se fundiram em meses. O tempo perdeu dimensão. Sobreviveram a mil e uma tempestades, com a esperança de que um dia seus olhos cansados encontrariam a terra prometida.

marinheiros_2.JPG

E de súbito, eis que soou, possante, a voz do capitão num anúncio solene: “Meus senhores, eis-nos finalmente chegados… ao Estreito de Magalhães!”

marinheiros_3.JPG

Alvoroçaram-se as almas e a tripulação acorreu à proa. Exaustos mas felizes, contemplaram o paraíso que se desdobrava para além das ondas mansas que batiam na costa. Os sorrisos de uns, espelhavam a alegria dos outros… sabiam agora que a aventura mal havia começado !!

O mundo é redondo (360º)

O planeta em que vivemos na FirstLife é redondo, ao que consta. A grelha, na SecondLife® pode parecer plana, mas assemelha-se muito mais a esta Terra de todos nós do que possa parecer à primeira vista.

A história anda para a frente em ciclos mais ou menos redondos, por estranho que possa parecer. Repete-se, e em simultâneo, progride. Dizem que isso é evoluir, e eu sinto-me tentada a concordar. Foi aqui no Geta que dei os primeiros passos nesta aventura dos blogs, há quase ano e meio. Foi aqui que aprendi a publicar imagens e a sublinhar textos a bold. Mais do que isso, aprendi a olhar para o mundo à volta com uma perspectiva mais crítica, se bem que a analítica ainda me falhe a maior parte das vezes.

Há cerca de um ano, achei que não fazia sentido continuar aqui. Hoje, não tenho a mínima dúvida que é aqui que pertenço, e foi por isso que pedi à Cat que me deixasse voltar, desde que todos os autores concordassem com isso. Um imenso e sentido obrigado à AnaLu, ao Miguel, à Leilah e à Gwyneth por acharem também que fazia sentido eu regressar. 

Sabem, ao longo da vida, tenho cometido imensos erros. Sair do Geta da forma impulsiva como o fiz, sem tentar encontrar soluções e fechando-me ao diálogo, foi um deles. Algo de que não me orgulho nem um pouco. E pelo facto, deixo aqui as minhas desculpas – públicas, como público foi o erro. Não fica promessa nenhuma de que não voltarei a errar, afinal sou mais do que imperfeita mesmo. Aprendi umas utilíssimas lições de vida, contudo – in-world e off-world – e essas servirão para burilar aqui e ali algumas arestas.

Por entre elas, aprendi a encontrar o caminho de volta a casa. Cá estou (ah, e trouxe as diatribes também, os bons e os maus humores, a brincadeira e os protestos, as ideias e as fases em que não quero ver ninguém – veio tudo na bagagem, pertantos seja o que a Deusa quiser!)

Aviso à navegação

Tendo em conta certos e determinados acontecimentos que tiveram lugar devido a certo e determinado post neste blog, os autores do GETA gostariam de avisar os leitores que apenas são responsáveis pelos posts que publicam e não pelos comentários que os mesmos possam suscitar.

Aqui não se apagam comentários e ponto final (spam excluído, que isto aqui não é a Santa Casa da Misericórdia). O máximo a que os autores poderão chegar é fechar os comentários a certo e determinado post quando estes se afastam do assunto proposto porque se querem festa, chamem o António. Caso contrário, perde-se a essência de um blog, que é permitir uma discussão sã de ideias e opiniões.

Isto aqui não é uma ditadura onde só prevalecem os que concordam com as nossas opiniões e os nossos pontos de vista. Até agradecemos que nos esclareçam quando estamos errados (eventualmente, porque também temos os nossos momentos Cavaco ‘eu nunca me engano e raramente tenho dúvidas’ :P). Se querem que seja assim, façam-no no vosso blog – lá podem ditar as regras que muito bem entenderem e quem quiser, segue-as, quem não quiser, lê outro blog, que são coisa que não falta. Se querem ver como se faz, vão aqui.

Estamos entendidos? Então podem continuar que há pipocas a comer :D.

pipocas

GETA interview – Uma Ceawlin

Uma - Frida

A Uma Ceawlin é uma residente portuguesa com imenso estilo e uma excelente fotógrafa. Recentemente, criou o seu próprio blog – McToastFace onde partilha as suas descobertas e o seu estilo. Recomendo também que espreitem o seu flickr onde tem fotos fora de série.

…continue reading