Parece um pouco mal estar a fazer publicidade a mim própria, mas… espero que me perdoem!

A Linden Lab anunciou formalmente o seu Gold Solution Provider Program, algo que tem vindo a ser planeado desde 2006: uma forma de listar grupos de empresas e organizações que estão disponíveis para realizarem trabalho de criação de conteúdos no Second Life para outras empresas, universidades, e organizações. Esta lista já contava com quase 400 entidades em todo o mundo.

Qualquer pessoa pode inscrever-se como Solution Provider, e a listagem é gratuita. O problema maior é um de credibilidade: como saber, de entre essas 400, quais as que ainda estão activas? Ou quais realmente fizeram algum trabalho real (em vez de apenas pedirem para serem colocados na lista)? Ou que ainda existem? Ou que têm efectivamente as competências que afirmam ter? A ideia é tentar limitar potenciais desapontamentos por parte de entidades que entram no SL pela primeira vez, procuram um “developer”, mas que têm uma má experiência com um “developer” e nunca mais voltam…

Para tentar evitar isso, foi sugerido um processo de “certificação”, que ainda não foi implementado pela Linden Lab. Em vez disso, foi lançado este modelo novo. Os Solution Providers podem submeter-se a um processo de “acreditação” onde submetem uma série de informação num formulário para a Linden Lab: que projectos fizeram nos últimos meses, que tipo de projectos são mais frequentes (idealmente devem cobrir todos os tipos possíveis: educação, desenvolvimento para meio empresarial, arqueologia virtual, gestão de eventos, machinimas), que competências possuem (idealmente, devem possuir todas, desde a construção à texturização, a criação de skins e roupas, a programação in-world e off-world, e assim por diante), e que referências têm. E devem ainda mostrar que estão activas, dinâmicas, e não meramente a descansar sobre os louros e glória do passado — e comprovar isso com novos clientes e informação veiculada nos media.

Uma vez passada esta fase — de recolha de informação — processa-se a validação. Empregados da Linden Lab irão verificar a veracidade dos dados recolhidos, visitando os locais dos clientes indicados. Marcam entrevistas com estes clientes para estabelecerem o grau de satisfação e o tipo de processos que foram utilizados para a criação dos seus projectos (metodologias de desenvolvimento, gestão de projecto, etc.). Não é um processo tão complexo como o ISO9000 🙂 mas é suficientemente extenso para ser credível. Das 400 entidades listadas como Solution Providers, apenas um décimo submeteu uma candidatura a Gold Solution Provider, dos quais foram acreditadas 31.

É com muito prazer que podemos ver que há uma empresa portuguesa nesta lista 🙂

Desta vez, Portugal não ficou para trás,,,