O planeta em que vivemos na FirstLife é redondo, ao que consta. A grelha, na SecondLife® pode parecer plana, mas assemelha-se muito mais a esta Terra de todos nós do que possa parecer à primeira vista.

A história anda para a frente em ciclos mais ou menos redondos, por estranho que possa parecer. Repete-se, e em simultâneo, progride. Dizem que isso é evoluir, e eu sinto-me tentada a concordar. Foi aqui no Geta que dei os primeiros passos nesta aventura dos blogs, há quase ano e meio. Foi aqui que aprendi a publicar imagens e a sublinhar textos a bold. Mais do que isso, aprendi a olhar para o mundo à volta com uma perspectiva mais crítica, se bem que a analítica ainda me falhe a maior parte das vezes.

Há cerca de um ano, achei que não fazia sentido continuar aqui. Hoje, não tenho a mínima dúvida que é aqui que pertenço, e foi por isso que pedi à Cat que me deixasse voltar, desde que todos os autores concordassem com isso. Um imenso e sentido obrigado à AnaLu, ao Miguel, à Leilah e à Gwyneth por acharem também que fazia sentido eu regressar. 

Sabem, ao longo da vida, tenho cometido imensos erros. Sair do Geta da forma impulsiva como o fiz, sem tentar encontrar soluções e fechando-me ao diálogo, foi um deles. Algo de que não me orgulho nem um pouco. E pelo facto, deixo aqui as minhas desculpas – públicas, como público foi o erro. Não fica promessa nenhuma de que não voltarei a errar, afinal sou mais do que imperfeita mesmo. Aprendi umas utilíssimas lições de vida, contudo – in-world e off-world – e essas servirão para burilar aqui e ali algumas arestas.

Por entre elas, aprendi a encontrar o caminho de volta a casa. Cá estou (ah, e trouxe as diatribes também, os bons e os maus humores, a brincadeira e os protestos, as ideias e as fases em que não quero ver ninguém – veio tudo na bagagem, pertantos seja o que a Deusa quiser!)